Um monte de malas chatos pra cacete começaram a encher o saco do Ashton, que deveria ter coisa melhor pra fazer (afinal, ele é o marido da Demi Moore). Quando já deveria ter recebido zilhões de tweets, o americano saiu com essa:



"Para os brasileiros que me seguem no Twitter: Apenas vocês têm o poder de fazer o impeachment no seu senador. É o SEU país e vocês precisam dar suporte às coisas em que vocês acreditam. Eu não tenho voto."

Ele não poderia ser mais correto.

Ao que o gênio Marcos Mion respondeu:

De qualquer forma, o barulho deu "resultado". Mesmo sem o apoio do Ashton, #forasarney ficou em segundo lugar nos assuntos mais discutidos da madrugada de hoje.

Acho que todo mundo tem direito de manifestar as suas ideias políticas no Twitter. E todo mundo que sentir necessidade deve fazê-lo. Mas muitas pessoas, especialmente brasileiros, acham que manifestação no Twitter são uma atividade "fim". E é uma atividade "meio". A diferença: os relatos dos absurdos no Irã eram importantes porque o mundo sabia o que acontecia e podia protestar "no mundo real". Obama usou o Twitter para dizer onde discursava e podia chamar as pessoas para verem suas ideias. Enquanto o mundo não vive no Twitter (ainda que muita gente gaste um pedaço grande das suas vidas lá), as mudanças que quisermos no mundo real vão ter de ser feitas no mundo real, protestos inclusive.

E isso não é privilégio do Twitter. Há dezenas de comunidades "eu odeio a marca X" e 1% aciona o Procon. Há dezenas de milhares de assinaturas em petições online como a contrária à Lei Azeredo, mas apenas um grupo, um ano depois, resolveu fazer um contraprojeto. A internet, web 2.0, pelo menos em termos políticos, é meio, não fim. Não é tão difícil de entender.

Dito isso, se você se importa ou deseja que o presidente do Senado renuncie, haverá mobilizações (divulgadas no Twitter, um bom uso da ferramenta) amanhã em diversas cidades. A lista está aqui.

Segundo o Estadão, Sarney diz que "lamenta, mas respeita as manifestações". Tenho 99% de certeza que ele foi informado da "manifestação" pelo próprio repórter que foi perguntar o que ele achava. 

O que aprendemos hoje? Que Marcos Mion usa o Google Translator mudar o País é um pouco mais difícil que dar um retweet, ok?

[Registros dos tweets via Blog do Link vídeo didático feito pelo Cardoso].