Bons mapas das regiões polares da Terra estão surgindo com bastante frequência. Nos últimos tempos, vimos um mapa que mostra a espessura de toda a camada de gelo da Antártida e outro que mostra os contornos rochosos ocultos da Groenlândia em detalhes sem precedentes.

• A busca pelo avião da Malaysian Airlines rendeu dados incríveis para a ciência
• Esta bela vista da Via Láctea é o maior mapa já feito da nossa galáxia
• Seriam as “cicatrizes” do fundo do mar da Antártida um prenúncio do que vem por aí?

Este novo mapa do terreno da Antártida é bem especial. Não é apenas por ser o mapa de maior resolução do continente congelado, mas por ser o mapa de maior resolução já produzido, levando em consideração todos os continentes.

O mapa que você vê abaixo – liberado na semana passada por um consórcio de pesquisadores – é a primeira versão do Modelo de Elevação de Referência da Antártida (REMA, na sigla em inglês), uma iniciativa financiada pela National Science Foundation para a produção de modelos digitais de altíssima qualidade sobre a região.

Com a cobertura de aproximadamente 98% da Antártida a uma latitude de 88 graus ao sul (há um pequeno buraco bem no Polo Sul devido à falta de cobertura por satélite), o mapa tem uma resolução de 2-8 metros.

Se a gente levar em consideração que os humanos praticamente não puseram os pés em muitas regiões da Antártida, dá para entender o porquê do mapa ser impressionante.

“Até agora, tínhamos mapas de Marte melhores do que os da Antártida”, disse Ian Howat, glaciologista da Universidade do Estado de Ohio, que liderou o mapeamento, em um comunicado à imprensa. “Agora é o continente mais bem mapeado”.

A península Antártica. Imagem: REMA

O mapa baseia-se em centenas de milhares de pares de imagens estereoscópicas coletadas por satélites que orbitaram a região entre 2009 e 2017, de acordo com o site do REMA. Dados de altimetria de satélite também foram utilizados para registrar a elevação precisa de todos os pontos.

Os dados foram inseridos em um supercomputador para montar o mapa topográfico em escala continental, com um tamanho total de arquivo de mais de 150 terabytes.

O mapa, que pode ser atualizado continuamente com novos dados, irá ajudar diversos projetos de pesquisa, indo desde investigações sobre a mudança da cobertura de neve com a movimentação do gelo, passando pelo desgaste de geleiras ou até mesmo mudanças na atividade vulcânica.

Os cientistas também podem utilizar o mapa para planejar expedições de campo a regiões não exploradas do continente.

Geleira de Thwaites na Antártida ocidental. Imagem: REMA

Por fim, o mapa ajudará a validar e referenciar os dados coletados pelo ICESat-2, o novo laser espacial de varredura de gelo da NASA que entra em órbita na próxima semana.

“Isso é INCRÍVEL”, disse ao Gizmodo o cientista do programa de Criosfera da Nasa, Tom Wagner, por e-mail. “Estamos imaginando as regiões polares em um nível de granularidade que nunca foi possível”.

Você pode saber mais sobre como essa primeira versão do mapa foi desenvolvida e explorar os dados neste link (em inglês). Você também pode fazer o download de versões de alta resolução do mapa para imprimir e colocar na parede se quiser um lembrete permanente sobre como a Antártida era em 2018.

O novo mapa topográfico da Antártida. Imagem: REMA