Usando os dados coletados pela sonda Cassini da NASA, os cientistas compilaram o primeiro mapa geológico global da enigmática lua Titã, de Saturno. O novo mapa revela um mundo que é familiar mas completamente estranho ao mesmo tempo.

Uma nova pesquisa publicada esta semana na Nature Astronomy atravessam a névoa sombria da atmosfera de Titã para trazer nossa primeira visualização global da paisagem complexa e diversa da lua. O novo mapa revela vastas planícies, dunas equatoriais, vastos lagos polares e uma surpreendente escassez de crateras de impacto. Mas, embora o mapa ofereça uma visão sem precedentes de Titã, o estudo está levantando algumas novas e importantes questões sobre a geologia bizarra do satélite.

Titã — a maior lua de Saturno — é um dos objetos mais fascinantes do sistema solar. A lua tem uma atmosfera densa que nos impede de ver sua superfície, e é o único outro objeto celeste no sistema solar, além da Terra, capaz de suportar líquidos estáveis ​​na superfície. Na Terra, esse líquido é a água, mas Titã tem metano e etano líquidos. Esses compostos são normalmente encontrados como gases, mas em Titã eles assumem uma forma líquida devido às temperaturas frias. Incrivelmente, o metano e o etano chovem na superfície, criando uma variedade dinâmica de recursos, incluindo riachos e lagos.

O novo estudo, liderado pela geóloga planetária Rosaly Lopes, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, oferece o primeiro mapa global completo desses recursos geológicos, mostrando os muitos lagos, dunas, planícies, crateras e outras paisagens da lua.

Michael Malaska, cientista planetário do Grupo de Gelos Planetários da NASA e o segundo autor do novo estudo, diz que se sente atraído por Titã como objeto de curiosidade científica porque a lua é simplesmente muito diferente.

“Tem paisagens que se parecem muito com a Terra, mas todos os materiais são muito diferentes”, escreveu Malaska em um e-mail ao Gizmodo. “Chuva de metano! Dunas orgânicas! É divertido comparar e contrastar as coisas entre a a Terra e Titã.”

Mapa geológico global de Titã com anotações. Imagem: NASA/JPL-Caltech/ASU

Para criar o mapa, a equipe reuniu dados de infravermelho e radar coletados pela sonda Cassini da NASA de 2004 a 2017, período em que ela realizou 120 sobrevoos. Os pesquisadores analisaram e costuraram meticulosamente esses dados, permitindo a reconstrução da superfície da lua. Apesar de ser um satélite de outro planeta, ela é tão grande quanto o planeta Mercúrio, então há muito para ver aqui.

Seis formas geológicas principais foram descritas no novo mapa: lagos, crateras de impacto, dunas de areia, hummocky (um termo geológico sofisticado para regiões de colinas com algumas montanhas), labirintos (regiões rasgadas tectonicamente) e planícies.

Uma característica marcante de Titã é que ela não tem algo que se vê geralmente em outros corpos: crateras de impacto. Isso significa que algo está mudando “a superfície com rapidez suficiente para apagar crateras”, disse Malaska. “Se você olhar no mapa, poderá ver que não existem muitas crateras em altas latitudes”. A resposta sobre o motivo, segundo ele, não é imediatamente óbvia.

“Titã também tem muitos produtos orgânicos”, acrescentou. “Nosso trabalho mostra que as moléculas orgânicas cobrem a maior parte da superfície — é um mundo coberto pela química orgânica!”

Titã também é “muito simples”, disse Malaska. Claro, os lagos de metano desta lua são frios e eles recebem muita atenção, ele disse, mas na verdade não ocupam grande parte da superfície geral de Titã. As dunas do tamanho de arranha-céus de Titã também são legais, mas Malaska diz que “a verdadeira história” de Titã está em suas planícies, que compõem a maior parte da superfície.

“As planícies indiferenciadas — a unidade dominante da planície — são realmente estranhas”, disse Malaska ao Gizmodo. “Elas parecem praticamente inexpressivas com a resolução da Cassini, mas se olharmos mais de perto, como eles serão? Elas teriam rios e leitos de rios? Haveria pequenas dunas ou ondulações? Pedregulhos? Paralelepípedos? Areia? Poeira?”

Olhando para o futuro, os pesquisadores gostariam muito de saber do que essas planícies são feitas, como chegaram lá e por que estão localizadas principalmente nas latitudes médias.

O novo mapa deixa claro que a latitude desempenha um papel importante na determinação da geologia da lua. As características mais jovens da superfície são os campos de dunas que dominam a região equatorial de Titã, conhecida como o mar de areia Shangri-La, enquanto os lagos estão concentrados nos polos. As características geológicas conhecidas como labirintos — áreas rasgadas pela atividade tectônica — também parecem mais próximas dos polos.

Enquanto isso, as planícies comuns e indefinidas estão localizadas ao longo das latitudes médias da lua. Malaska e seus colegas gostariam de saber por que certas paisagens aparecem em algumas regiões e não em outras. Essas são algumas “perguntas realmente boas sobre as quais podemos começar a pensar”, disse ele.

É bem possível que muitas das características da superfície de Titã sejam o resultado do ciclo do metano. Condições úmidas nos polos podem promover os lagos de metano, enquanto as regiões áridas ao longo do equador provavelmente contribuem para a formação das extensas dunas de areia.

Sem dúvida, ainda há muito trabalho a ser feito. Para o novo estudo, os pesquisadores conseguiram cobrir apenas cerca de 46% da superfície da lua, com resoluções que não passam de 1 quilômetro. Por isso, Titã ainda é um gigantesco laboratório de ciências ainda à espera de ser explorado — e isso é emocionante. Isso fica ainda mais legal tendo em vista que a NASA enviará um drone aéreo para o satélite, com chegada programada para meados da década de 2030.