“Pesquisadores obtêm corações de porcos de um centro de processamento de carne de porco e usam o sistema para testar seus protótipos ou praticar novos procedimentos cirúrgicos”, conta Andrew Richards, um estudante de doutorado em engenharia mecânica da NC State que projetou a máquina.

A máquina controlada por computador, que opera usando uma solução salina pressurizada, também permite que os pesquisadores filmem o funcionamento interno do coração em bombeamento – facilitando a definição de exatamente quais técnicas e tecnologias cirúrgicas são melhores para reparar válvulas do coração.

Ao usar a máquina, os pesquisadores conseguem determinar se os conceitos para novas ferramentas cirúrgicas são viáveis antes de avaliá-las em animais vivos. Eles também podem identificar e cuidar de problemas funcionais com novas ferramentas tecnológicas. “Ainda haverá a necessidade de testarmos em modelos de animais vivos”, diz Dr. Greg Buckner, que dirige o projeto, “mas este sistema cria um estágio intermediário de teste que não havia antes. Ele permite que os pesquisadores façam uma avaliação de “comprovação de conceito” e refinem os designs antes de executar operações em animais vivos”. Buckner é um professor associado de engenharia aeroespacial e mecânica da NC State.

O uso do sistema também pode vir a ser uma bela economia de dinheiro para os pesquisadores. Depois de comprada e pronta para uso, o custo de executar experimentos é muitas vezes menor que o uso de animais vivos. “Custa aproximadamente 25 dólares para fazer um experimento na máquina”, diz Richards, “ao passo que um experimento semelhante usando um animal vivo custa aproximadamente 2500 dólares”.

 

[Medgadget]