A prestigiosa competição Insight Investment Astronomy Photographer of the Year anunciou as fotos vencedoras de seu concurso de 2020. De galáxias e nebulosas formadoras de estrelas até planetas, auroras e irritantes trilhas de satélites, essas fotos nos lembram que a Terra é apenas uma partícula peculiar na vastidão do espaço.

Essa é a 12ª edição do concurso de fotografia, que é administrado pelo Royal Observatory Greenwich em associação com a BBC Sky at Night Magazine e a Insight Investment. Para o concurso deste ano, os juízes tiveram que analisar e e selecionar 5.000 inscrições reunidas de seis continentes.

A foto impressionante do fotógrafo francês Nicolas Lefaudeux da galáxia de Andrômeda (retratada no topo) lhe rendeu um prêmio geral de 10 mil libras (US$ 12.860).

A composição de Lefaudeux faz parecer que a galáxia de Andrômeda — a galáxia mais próxima da nossa — está à distância de um braço, mesmo que esteja a 2 milhões de anos luz de distância. O fotógrafo criou este efeito tilt-shift (de miniaturização) imprimindo em 3D uma parte que segurava a câmera em um ângulo chave, enquanto o efeito de desfoque foi criado desfocando as bordas externas da foto.

A Dama Verde

Imagem vencedora na categoria aurora. Crédito: Nicholas Roemmelt (Alemanha)Imagem vencedora na categoria aurora. Crédito: Nicholas Roemmelt (Alemanha)

Essas luzes do norte, capturadas na Noruega pelo fotógrafo alemão Nicholas Roemmelt, brilham em verde, azul e rosa, revelando uma figura oculta.

Região da cratera Tycho com cores

Imagem vencedora na categoria Nossa Lua. Crédito: Alain Paillou (França)Imagem vencedora na categoria Nossa Lua. Crédito: Alain Paillou (França)

As cores ocultas da cratera Tycho na Lua são revelada nesta vívida foto composta por Alain Paillou. As cores do solo, embora fracas a olho nu, são produzidas por óxidos metálicos embutidos em pequenas bolas de vidro espalhadas pela superfície lunar. As áreas azuis são ricas em óxido de titânio, enquanto as áreas vermelhas são ricas em óxido de ferro.

Luz líquida do Sol

Imagem vencedora na categoria Nossa Lua. Crédito: Alain Paillou (França)Vencedora da categoria Sol. Crédito: Alexandra Hart (Reino Unido)

Esta visão incrivelmente detalhada da superfície do Sol, vista durante seu mínimo solar, foi capturada pela fotógrafa britânica Alexandra Hart. Cada uma dessas células vistas na foto mede cerca de 1.000 km de diâmetro.

A prisão da tecnologia

Vencedora na categoria pessoas e espaço. Crédito: Rafael Schmall (Hungria)Vencedora na categoria pessoas e espaço. Crédito: Rafael Schmall (Hungria)

Esta imagem, capturada por Rafael Schmall, é o exemplo perfeito — embora triste — de como os satélites estão cada vez mais tornando difícil para fotógrafos e astrônomos contemplar um céu desobstruído. Aqui, a estrela dupla do Albireo fica atrás de um conjunto de trilhas de satélite, que apareceram ao tirar fotos de longa exposição.

Pintando o céu

Vencedora na categoria pessoas e espaço. Crédito: Rafael Schmall (Hungria)
Vencedora da categoria skyscape. Crédito: Thomas Kast (Alemanha)

A noite polar, vista pelo fotógrafo Thomas Kast na Lapônia finlandesa. Esta paisagem irreal do céu parece algo saído de uma pintura de Monet, mas o efeito dramático é produzido por nuvens estratosféricas polares. Ironicamente, Kast estava realmente procurando fotografar céus claros à noite quando esta incrível vista apareceu de repente.

Espaço entre nós

Vencedor na categoria planetas, cometas e asteroides. Crédito: Łukasz Sujka (Polônia)Vencedor na categoria planetas, cometas e asteroides. Crédito: Łukasz Sujka (Polônia)

O fotógrafo polonês Łukasz Sujka captou este alinhamento incomumente próximo de Júpiter e da Lua em 31 de outubro de 2019. Sujka disse que “queria mostrar o enorme vazio e o tamanho do espaço, que é por isso que há muito ‘nada’ entre as duas grandes partes da imagem”, disse ele em um comunicado à imprensa.

Inferno cósmico

Vencedor da categoria estrelas e nebulosas. Crédito: Peter Ward (Austrália)
Vencedor da categoria estrelas e nebulosas. Crédito: Peter Ward (Austrália)

Uma visão única em cores falsas de NGC 3576, na qual as estrelas foram removidas desta nebulosa pelo fotógrafo Peter Ward. O objetivo deste exercício era emular imagens tiradas dos incêndios florestais australianos em 2019 e 2020.

Os quatro planetas e a Lua

Vencedora na categoria Young Competition. Crédito: Alice Fock Hang (Ilha da Reunião)Vencedor na categoria Young Competition. Crédito: Alice Fock Hang (Ilha da Reunião)

Alick Fock Hang, 11, ganhou o prêmio principal na categoria Young Competition (uma categoria para jovens talentos). A imagem impressionante dela mostra a Lua, Vênus, Mercúrio, Júpiter, Saturno e várias estrelas proeminentes acima do Oceano Índico, incluindo a Alpha Centauri na extrema esquerda e Antares estacionado em frente à galáxia da Via Láctea

Ondas

Vencedora da categoria Best Newcomer. Imagem: Bence Toth (Hungria)Vencedora da categoria de melhor estreante. Imagem: Bence Toth (Hungria)

Uma visão notável da Nebulosa da Califórnia, ou NGC 1499, na qual o fotógrafo Bence Toth se esforçou para preservar as cores originais desta região de formação de estrelas o máximo possível.

NGC 3628 com cauda longa de 300 mil anos-luz

Vice-campeão na categoria galáxias. Imagem: Mark Hanson (EUA)Vice-campeã na categoria galáxias. Imagem: Mark Hanson (EUA)

O fotógrafo Mark Hanson levou cinco anos para produzir esta imagem impressionante da galáxia NGC 3628, com a maioria das exposições adquiridas em 2019. O objetivo desta imagem em mosaico, e o principal desafio, era mostrar a cauda colossal da galáxia, que mede 300 mil anos-luz de comprimento.

Rastreadores de vapor Azure

Uma imagem altamente elogiada da categoria pessoas e espaço. Imagem: Yang Sutie (China)
Uma imagem altamente elogiada da categoria pessoas e espaço. Imagem: Yang Sutie (China)

Esta não é uma invasão alienígena, mas também não é uma ocorrência totalmente natural. Esta visão, fotografada por Yang Sutie no Ártico da Noruega, captura os resquícios brilhantes do Experimento de Rocket Upwelling da Zona Auroral (AZURE), no qual foguetes lançados pelo Centro Espacial Andøya dispersaram traçadores de gás para investigar os ventos de alta atmosfera.

Todos os trabalhos vencedores serão exibidos no Museu Marítimo Nacional a partir de 23 de outubro de 2020.