A NASA divulgou neste mês os finalistas de um concurso de melhores projetos para uma casa em Marte. O desafio, intitulado 3D-Printed Habitat Centennial Challenge, começou em 2014, já teve duas de três fases e, inicialmente, contou com a inscrição de 18 equipes, mas apenas cinco delas foram escolhidas para repartir a premiação parcial de US$ 100 mil do segundo estágio da competição. O prêmio final será de US$ 2 milhões.

• Hubble publica foto incrível de Marte para comemorar oposição do planeta
• Satélite TESS, da NASA, inicia sua busca por planetas distantes

O concurso consiste na criação de projetos de habitação que possam mais tarde ser implementados a partir da impressão 3D, representações digitais de características físicas e funcionais de uma casa em Marte, com o uso de softwares especializados.

As 18 inscrições foram avaliadas por um painel de juízes composto por especialistas da NASA, além de estudiosos e pessoas da indústria, que entrevistaram e analisaram os projetos, chegando, enfim, à relação de finalistas que você confere abaixo — e seus respectivos prêmios por completarem a segunda fase (clique aqui para conferir vídeos de todos os finalistas).

Zopherus de Rogers, Arkansas – US$20.957,95
AI. SpaceFactory, de Nova York – US$20.957,24
Kahn-Yates de Jackson, Mississippi – US$20.622,74
SEArch+/Apis Cor, de Nova York – US$19.580,97
Universidade Northwestern em Evanston, Illinois – US$17.881,10

As duas etapas do concurso até agora envolveram o envio de renderizações arquitetônicas e a criação de componentes estruturais, esta última sendo concluída em 2017. Agora, os cinco finalistas precisarão desenvolver um modelo real de suas criações impresso em 3D, em uma escala menor, de um terço do tamanho original. A fase final conta também com o desafio de projetar as casas de forma que contemplem subsídios tanto para a estrutura quanto para os sistemas que essas habitações teriam.

A equipe que aparece na liderança do desafio até agora é a Zopherus, cuja ideia envolve o uso da terra disponível em Marte como “cimento” da construção de módulos que se encaixariam como uma colmeia, como explica a Galileu. A imagem do projeto da Zopherus abre este post, e, abaixo, você pode conferir o vídeo do plano.

Segundo a NASA, à medida que a exploração espacial avança, habitats confiáveis que sejam favoráveis à vida serão essenciais para as futuras missões e outros empreendimentos. Daí, a importância de um desafio como este. A última fase deve ser concluída em 2019, então resta aguardar o que os cinco postulantes ao prêmio apresentarão.

Além da Zopherus acima, confira abaixo as imagens dos outros quatro projetos finalistas.

Projeto da equipe AI. SpaceFactory, de Nova York (Divulgação/NASA)

Projeto da equipe Kahn-Yates, de Jackson (Divulgação/NASA)

Projeto da equipe SEArch+/Apis Cor, de Nova York (Divulgação/NASA)

Projeto da equipe da Universidade Northwestern em Evanston, Illinois (Divulgação/NASA)

[NASA, Galileu]

Imagem do topo: Reprodução