Um estudo da Universidade de Cardiff alega ter encontrado fósseis de algas em amostras de um meteorito que caiu no Sri Lanka em dezembro.

À primeira vista, parece ser uma revelação chocante: é a prova cabal de que existe vida fora da Terra! Mas, infelizmente, o estudo tem muitas falhas.

A análise foi realizada em parte por Chandra Wickramasinghe, que tem uma reputação questionável na comunidade científica. Ele é um defensor da panspermia: segundo esta teoria – hoje desacreditada – formas de vida primárias chegam à Terra em meteoritos, e então desenvolvem-se no planeta. Para ele, até o vírus da gripe vem do espaço!

O estudo foi publicado no Journal of Cosmology, também alvo de críticas: o biólogo P.Z. Myers diz que este “não é um periódico científico real, e sim um website de um pequeno grupo… obcecado com a ideia de Hoyle e Wickramasinghe de que a vida se originou no espaço e simplesmente choveu na Terra”. Este periódico não é publicado em versão impressa, e seu processo de revisão por pares é questionado.

Não só: Phil Plait, do Bad Astronomy, faz um excelente trabalho em desmentir as alegações do estudo. Por que esta descoberta parece boa demais para ser verdade? Eis alguns dos argumentos:

  • alguns dos “fósseis” não parecem realmente ser fossilizados, e são de espécies conhecidas de água doce encontradas na Terra;
  • a amostra pode ter sido contaminada por água de um rio ou lago;
  • a rocha em si poderia ser da Terra, simplesmente atingido por um raio;
  • ninguém tem certeza de que esta rocha veio de um meteorito;
  • os fósseis teriam de passar por uma história evolutiva extremamente semelhante à da Terra para serem tão semelhantes às espécies que conhecemos.

Então, não. Nada de vida alienígena desta vez. Claro, isso é exatamente o que eles querem que a gente pense… [Technology Review via Hacker NewsSlateFree Thought Blogs]