A Microsoft divulgou seus resultados financeiros do quarto trimestre de 2014. O lucro líquido sofreu uma queda de 10% em relação ao ano anterior por alguns motivos curiosos – mas os negócios da empresa parecem estar indo bem.

A receita de tablets Surface aumentou 24% em um ano, chegando a US$ 1,1 bilhão. A Microsoft não diz quantas unidades vendeu, mas nota que o bom resultado é puxado pelo ótimo Surface Pro 3.

A linha de smartphones Lumia, que agora pertence à Microsoft, também vendeu bem: foram 10,5 milhões de unidades entre outubro e dezembro. Este é um recorde para o Lumia, e representa um aumento de 28% nas vendas em um ano.

No entanto, agora que a Microsoft está apostando forte em aparelhos low-end, a receita do Lumia caiu para US$ 2,3 bilhões, uma queda brusca de 61%. A empresa diz que a culpa é de um acordo comercial com a Nokia, que acabou no ano passado.

Os resultados financeiros também ajudam a entender a estratégia da Microsoft para o Windows. A receita de licenciar o Windows para fabricantes de PCs caiu 13%; enquanto isso, a divisão comercial teve aumento de 5% na receita – eles embolsaram mais dinheiro vindo de produtos para empresas, como o Azure e o SQL Server.

O Windows já está rendendo menos dinheiro que antes, mas essa queda está sendo compensada por produtos para a nuvem – a estratégia que Satya Nadella divulgou há algum tempo. Dessa forma, é possível oferecer o Windows 10 como uma atualização gratuita para usuários das versões 8.1 e 7.

No quarto trimestre, o faturamento total da Microsoft aumentou para US$ 26,5 bilhões, mas o lucro líquido caiu para US$ 5,9 bilhões, devido aos custos de integrar a divisão de celulares da Nokia – mas não só.

No trimestre, a Microsoft teve “despesas com imposto de renda provenientes de um ajuste de uma auditoria do IRS”. A Receita Federal americana está investigando a Microsoft por causa de transações entre suas subsidiárias em Porto Rico e ilhas Bermudas. O IRS quer convocar até mesmo Steve Ballmer para esclarecer a situação. A empresa diz que “não comenta sobre auditorias pendentes”. [Microsoft via The Verge]

Foto por Thomas Hawk/Flickr