A Microsoft chegou a um acordo para adquirir o GitHub, de acordo com uma reportagem da Bloomberg depois confirmada pela gigante de software, ainda na manhã desta segunda-feira (4), em um post de blog. A Microsoft vai desembolsar US$ 7,5 bilhões na aquisição, que deve passar por todos os trâmites regulatórios e ser finalizada ainda neste ano.

• Novo padrão tecnológico vai ajudar deficientes visuais a usarem melhor o computador
• O maior ataque DDoS da história foi contra o GitHub, mas o serviço saiu numa boa

O aparente interesse da Microsoft pelo GitHub foi cogitado na última sexta-feira (1º) pelo Business Insider, e as coisas parecem ter evoluído bem rápido desde então. De acordo com relatos, as empresas mantiveram conversas sobre uma potencial aquisição durante anos, mas o GitHub conseguiu manter por um bom tempo a sua intenção de ficar independente.

Agora, assumindo que a reportagem da Bloomberg se concretize, o serviço de repositório de códigos e comunidade de desenvolvedores deve ser absorvido pela Microsoft.

Ao ser contato para falar sobre a possível aquisição, um porta-voz da Microsoft disse ao Gizmodo que a companhia “não comenta rumores ou especulações”. O GitHub não respondeu o nosso pedido de comentário, mas atualizaremos a publicação se o fizerem.

O GitHub, que muitas vezes é descrito como um Facebook para programadores, aparentemente estava interessado em abrir o seu capital há cerca de seis meses e iniciava a explorar o processo de um potencial IPO (Oferta Inicial Pública, na sigla em inglês), de acordo com o Business Insider. A empresa foi avaliada em pelo menos US$ 2 bilhões em 2015.

A Bloomberg, citando fontes familiares com o assunto, noticiou que o GitHub optou pela Microsoft pelo fato de a companhia estar impressionada com o CEO da Microsoft, Satya Nadella, que tomou as rédeas da gigante do software em 2014, sucedendo Steve Ballmer. Desde que assumiu, Nadella levou a Microsoft a abraçar a tecnologia open source (código aberto), fazendo até mesmo com que a empresa patrocinasse um grupo de ativistas open source influente, o Open Source Initiative.

Muitas empresas de tecnologia – incluindo Apple, Amazon, Facebook e Google – possuem uma presença no GitHub, utilizando o serviço para documentação e códigos, mas a Microsoft é uma das maiores contribuintes, de acordo com dados do serviço, que aponta que mais de mil funcionários contribuíram com repositórios de códigos na plataforma. O Verge aponta que a Microsoft hospeda seu código-fonte para o Explorador de Arquivos original do Windows no GitHub.

Apesar da recente decisão da Microsoft de abrir os braços para o código aberto, há muitos céticos, especialmente dentro da comunidade do GitHub. A resposta no subreddit do GitHub é esmagadoramente negativa, e muitos comentam que planejam passar a usar o GitLab, um serviço alternativo de repositório de códigos.

Nesta segunda-feira (ou quando o acordo for oficializado), a Microsoft terá muitas perguntas para responder a desenvolvedores e programadores que dependem da plataforma para hospedar seus códigos e estão preocupados.

Atualização às 10h28: Em um post de blog, a Microsoft oficializou a compra do GitHub por US$ 7,5 bilhões. “Reconhecemos a responsabilidade que assumimos com a comunidade neste acordo e faremos nosso melhor para empoderar cada desenvolvedor para construir, inovar e solucionar os desafios mais urgentes do mundo”, disse o CEO da Microsoft, Satya Nadella, no comunicado. A aquisição, sujeita a revisões regulatórias, deve ser finalizada até o fim de 2018. A Microsoft afirma que “o GitHub manterá seu ethos de foco principal no desenvolvedor e vai operar de forma independente, para oferecer uma plataforma aberta para todos os desenvolvedores em todas as indústrias. Os desenvolvedores continuarão podendo usar as linguagens de programação, ferramentas e sistemas operacionais de sua escolha para seus projetos — e ainda serão capazes de aplicar seu código a qualquer sistema operacional, nuvem ou dispositivo”.

O início do texto foi também alterado para incluir as informações da atualização.

[Bloomberg via The Verge, Business Insider]

Imagem do topo: Getty