O Surface é um triunfo da usabilidade e do design da Microsoft. É um computador de mesa multitoque! Minority Report! E por aí vai. No entanto, configurá-lo? Prenúncio ameaçador: ele vem com um teclado e mouse.

Gordon relembra todo o doloroso processo com detalhes martirizantes. A ponto de eu ter ficado com dor de cabeça de ler. Ele demorou 30 minutos para descobrir onde é que a mesa plugava, (a mais básica de todas as manobras de montagem), o que exigiu a leitura de três manuais e uma chamada pro suporte técnico, que tampouco sabia onde deveria ser plugada.

Tá, agora já está funcionando. Hora de configurar o dispositivo. Logicamente, você pode ajustar tudo na touchscreen, certo? Afinal, é um computador de toque. Após cinco minutos de futucadas infrutíferas, a equipe de Gordon percebeu que, hipoteticamente, o mouse e o teclado vieram junto por um motivo – você precisa deles para fazer a configuração inicial do Surface. E após deixá-lo no ponto para interagir com ele, mais uma hora foi necessária para completar a configuração.

Por fim conseguiram a “experiência verdadeiramente dinâmica e formidável no Surface”. Pergunta filosófica: um produto incrivelmente utilizável e fantástico seria realmente estas coisas se o processo de fazer com que ele chegue a este ponto fosse um pesadelo? Pergunta suporte: será que configurar o Surface é mesmo tão difícil assim? Ou será que Gordon e sua galera eram apenas seres humanos terrivelmente deficitários? [Kinesis Momentum]