Você talvez ainda não conheça a Misfit Wearables, mas quando o primeiro gadget deles for lançado, você prestará mais atenção a esse nome.

Fundada por Sonny Vu e Sridhar Iyengar, a empresa baseada em Redwood City também credita John Sculley como co-fundador – sim, o ex-vendedor de água açucarada e ex-CEO da Apple. Ela é financiada pela Khosla Ventures, que parece saber o que está fazendo quando o assunto é tecnologia vestível relacionada à saúde.

Ontem a Jawbone, que também tem investimentos da Khosla, anunciou o Up 2.0; hoje, a Misfit Wearables anunciou o seu primeiro produto voltado ao bem estar dos consumidores, o Shine.

Em um mercado já bem populoso (leia-se: Up, Fuelband, LarkLife, Fitbit, Amiigo etc), o Shine, que custa US$ 99, ahn… brilha por vários motivos, incluindo o título de “primeiro dispositivo sem fio do mundo para condicionamento físico todo feito de metal.” Eita. O monitor vestível de atividades sincroniza com seu smartphone sem precisar de cabo ou conexão Bluetooth. Coloque o Shine em cima do seu smartphone e voilà!

Shine em cima de um iPhone.

Mas o que é isso, exatamente?

GIF do Shine.Como a Fitbit ou a Up ou qualquer outro podômetro endeusado, o Shine monitora seus movimentos bípedes (caminhada, corrida) para ajudar você a atingir metas específicas. Ele até calcula ciclismo e natação, mas dá um valor mais moderado a essas atividades. “Para atividades além dessas três (triatlo), ele agirá como outros monitores de atividades, onde são medidos os níveis gerais de atividade, que depois são convertidos em passos,” disse-me Vu. Então não dá para ajustar a sua sessão de yoga ao software do Shine como você pode fazer com o Up, por exemplo.

Esculpido a partir de um pedaço sólido de alumínio usado na indústria aeronáutica, o Shine é à prova d’água mas, de alguma forma, exibe uma auréola de luzes que mostra seus progressos e até a hora. Ele pesa menos de 10g e usa uma bateria substituível que você deve trocar, em média, a cada seis meses. Um poderoso ímã pode ser anexado a ele para vesti-lo em qualquer parte do corpo, inclusive como uma acessório no pulso, se você preferir.

Embora Vu não tenha me dito que tipos de componentes formam as entranhas do Shine, ele falou que um acelerômetro é um dos dois diferentes sensores presentes dentro do disco.

Misift Shine.

No que isso se difere da concorrência? Para começar, Vi e Iyengar fundaram a Agamatrix, empresa que criou os primeiros medidores de glicose para iPhone aprovados pela FDA (espécie de Anvisa dos EUA). Então, sim: esses caras sabem alguma coisa sobre tecnologia aplicada à saúde.

E se você notou que o nome da empresa é, de alguma forma, relacionado a Steve Jobs, parabéns, passe na recepção para pegar seu brinde! (Isso é só uma brincadeira, não temos brindes para ninguém.)

“Sobre o nome Misfit [‘Desajustado’, em inglês], a nossa empresa foi fundada no dia em que Steve Jobs morreu. John Sculley e eu estávamos em um restaurante próximo a Cupertino falando sobre a empresa quando ouvimos a notícia e, inspirados pelo comercial ‘Essa é para os loucos’, decidimos usá-lo,” disse Vu. “Também gostamos do nome porque todos nós, em algum momento de nossas vidas, nos sentimos desajustados, e agora finalmente temos, nessa empresa, uma casa com amigos e colegas que pensam como a gente.”

A Misfit está em busca de US$ 100 mil no próximo mês na indiegogo oferecendo vários níveis de contribuições. O Shine deve chegar às lojas por US$ 99, mas você pode garantir um por US$ 49 agora, com previsão de entrega para março de 2013.