A Mitsubishi avisou que investirá 1,1 bilhão de reais no Brasil pelos próximos 5 anos, e que a ideia é encher as ruas do país com o i-MiEV, um carrinho elétrico da empresa que pode ser recarregado direto numa tomada comum – mas é preciso ter paciência para passear com ele de novo. Ele será o primeiro veículo elétrico produzido no país.

O nome do i-MiEV vem de Innovate Eletric Vehicle, e até que para um carro elétrico, ele tem força: atinge até 130 km/h. A solução para chegar na velocidade foi fazer um carro pequeno e mais leve – ele é baseado num modelo à gasolina de 660 cilindradas.

Numa só carga, ele é capaz de andar 160 quilômetros. E para rodar mais é preciso recarregá-lo por cerca de 7 horas numa tomada comum. A esperança da Mitsubishi é que, até o lançamento do veículo, o sistema quick-charger – as bombas do futuro, sem gasolina, apenas com uma tomada anabolizada – já esteja disponível. Nesse caso, o i-MiEV é recarregado em 30 minutos, ou o tempo de comer um pão de queijo e tomar um café na beira da estrada.

Na parte da economia, o custo por quilômetro rodado num i-MiEV é três vezes menor se comparado a um carro compacto movido a gasolina, mas, segundo a Mitsubishi, o custo pode chegar a R$ 0,03 por quilômetro (!). Porém, a parte mais interessante é não queimar tanto CO2 – o motor elétrico emite 70% menos dióxido de carbono. A bateria tem quatro módulos de lítio, com 330V, e o som do veículo é 5 decibels mais baixo do que num carro comum. 

É preciso saber agora quanto um carro desse irá custar por aqui. Na reunião entre o governo e os japoneses, hoje, houve discussão sobre isenção fiscal para o veículo, já que ele é verdinho e bem-vindo, mas não há informações do resultado das tratativas. Na Europa, o i-MiEV custa 33 mil euros, ou 78 mil reais, que já é um preço não muito camarada para nós. Para quem quiser conhecê-lo desde já, o i-MiEV estará no Salão do Automóvel, em São Paulo. [iG e O Globo via Eco4planet]