Uma nova pesquisa sugere que morar perto de resíduos perigosos é, sem surpresa, prejudicial à saúde e à longevidade. O estudo encontrou uma ligação clara entre menor expectativa de vida e morar perto de um aterro sanitário, com os residentes em bairros mais pobres possivelmente perdendo até um ano de vida.

Pesquisadores da Universidade de Houston e da Universidade do Texas, em Austin, analisaram os dados do censo coletados em 2018 em todo o país, focando especificamente nos bairros onde um “Superfund” estava próximo. Esses locais são áreas designadas pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA para serem tão poluídas que precisam ser limpas pelas partes responsáveis ​​– um processo que pode levar anos ou décadas. Frequentemente, eles são causados ​​por derramamentos de fábricas ou usinas de processamento, ou resultado do descarte intencional e impróprio de resíduos perigosos; milhares desses locais estão espalhados pelos EUA.

O modelo da equipe estimou que morar perto de um desses locais pode levar a uma redução de dois meses na expectativa de vida, em comparação com pessoas que vivem em outro lugar. Mas os Superfunds costumam ser encontrados em bairros onde as pessoas já estão em pior situação de saúde e nível socioeconômico. E quando a equipe tentou levar em conta esses outros fatores, eles descobriram que os Superfunds em comunidades carentes podem resultar em cerca de 15 meses de redução da expectativa de vida.

As descobertas da equipe foram publicadas na terça-feira (13) na Nature Communications.

“Temos ampla evidência de que a liberação de contaminantes de fontes antropogênicas (por exemplo, petroquímicos ou locais de resíduos perigosos) pode aumentar a taxa de mortalidade em comunidades cercadas”, disse o autor do estudo Hanadi Rifai, engenheiro civil e ambiental da Universidade de Houston, em um comunicado divulgado pela universidade. “Os resultados mostraram uma diferença significativa na expectativa de vida entre os setores censitários com pelo menos um local de Superfund e seus setores vizinhos sem esses locais.”

Muitos estudos mostram que mesmo os níveis básicos de poluição são suficientes para causar efeitos perceptíveis na saúde das pessoas. Mas, de acordo com os autores, seu trabalho é o primeiro a tentar quantificar os danos que os locais de Superfund em todo o país, e não apenas aqueles mantidos pelo governo federal, podem causar às pessoas que moram nas proximidades. Outra pesquisa descobriu que a poluição desses locais está ligada a um risco maior de várias doenças crônicas ou com risco de vida, particularmente câncer.

Por mais sombrias que essas descobertas possam ser, a situação pode ser ainda pior se esses locais forem expostos a outros perigos naturais. Até 60% dos locais estão em áreas sujeitas a incêndios florestais e inundações, observaram os pesquisadores — problemas que devem se tornar mais comuns com o aquecimento global. Sem surpresa, eles descobriram que as inundações provavelmente só aumentariam o dano potencial a esses lugares.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Quando você adiciona enchentes, haverá impactos auxiliares ou secundários que podem ser potencialmente exacerbados por uma mudança climática futura”, disse Rifai. “O efeito de longo prazo da inundação e da exposição repetitiva tem um efeito que pode transcender gerações.”

De fato, durante as inundações devastadoras no meio-oeste dos EUA em 2019, sete locais de Superfund foram inundados, colocando as águas subterrâneas locais em risco de contaminação. Quando o furacão Harvey atingiu a área de Houston em 2017, 13 locais de Superfund foram danificados, enviando poluição tóxica para o rio San Jacinto.