A Motorola ganhou competição pesada no ano passado e outros smartphones entraram na briga pelo título de melhor celular de entrada ou intermediário — vimos a chegada do Samsung Galaxy A50 e de diversas marcas chinesas que fizeram bastante sucesso. A companhia agora lança novas versões do consagrado Moto G e decidiu abandonar a nomenclatura com números — em vez disso, anunciou dois modelos para 2020: Moto G Power e Moto G Stylus.

Ambos os celulares têm um visual similar: traseiras de plástico, tela Full HD de 6,4 polegadas, alto-falante duplo, leitores de impressão digital na traseira e câmeras de selfie de 16 MP, além de rodarem o Android 10. Ao contrário de outros aparelhos caros da atualizado, ambos vêm com entrada para fones de ouvido. As outras especificações, no entanto, são diferentes.

Com preço sugerido na gringa de US$ 250, o Moto G Power é o mais barato e mais simples dos dois. Ele tem 4 GB de RAM, 64 GB de armazenamento (além de slot para cartão microSD), e três câmeras traseiras. A Motorola decidiu colocar uma câmera principal de 16 MP, que é acompanhada de um sensor de 8 MP com uma ultra-angular, além de outro de 2 MP com lente macro.

A câmara principal vem com uma abertura relativamente grande de f/1.7, enquanto a nova macro tem distância de foco mínima de cerca de 2,5 cm, o que permite capturar detalhes em objetos como flores ou insetos. Contudo, como o nome indica, a característica que define a Moto G é a sua enorme bateria de 5.000 mAh que, segundo a Motorola, pode durar até três dias com uma única carga.

Assim como os smartphones anteriores do Moto G, essa nova geração do Power tem o Android 10 praticamente puro (com algumas adições como os gestos de Moto Ações).

Custando US$ 250 (US$ 50 a menos do que o Moto G7 do ano passado), o aparelho parece ser uma escolha interessante para quem quer um aparelho Android básico com uma bateria de ótima duração.

O Moto G Power e Moto G Stylus têm até um aviso que sugere que você mude para o modo macro em determinadas cenas. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

O Moto G Stylus é ligeiramente mais caro: US$ 300. Esse é o primeiro aparelho da Motorola a vir com sua própria caneta stylus, bastante parecida com a da linha icônica Galaxy Note da Samsung — só que por um terço do preço. Acontece que para alcançar esse preço a fabricante teve que fazer alguns sacrifícios. Em vez de uma caneta chique com botões e conectividade Bluetooth, o Moto G Stylus vem com um acessório simples que serve para fazer notas ou desenhar sobre imagens.

Assim como no Galaxy Note, o Moto G Stylus vem com um espaço dedicado para guardar a caneta. Quando você remove a caneta, o celular inicia automaticamente o aplicativo Moto Note — mesmo quando a tela está bloqueada.

Outra coisa parecida com o Galaxy Note é o menu de atalho que aparece para tirar printscreen e outras tarefas relacionadas com a caneta. No geral, parece que a Motorola quer oferecer um concorrente do smartphone da Samsung por um preço bem menor.

Durante o teste rápido que fiz, percebi que o Moto G Stylus ainda não está totalmente otimizado para esse modo, já que identificou minha mão como um modo de entrada e causou uns rabiscos fora do lugar e uns borrões nas minhas anotações. Na verdade, se você quiser, dá para usar os seus dedos para tomar notas ou desenhar alguma coisa — a stylus nem é obrigatória.

A parte boa é que a caneta não é a única coisa que o Moto G Stylus oferece. Ele também vem com o dobro de armazenamento em relação ao G Power, com 128 GB de espaço. E assim como o Moto One Action lançado no ano passado, uma de suas três câmeras é uma Action Cam (Câmera de Ação), que permite filmar vídeos no modo paisagem mesmo enquanto você segura o aparelho no modo retrato.

Esperamos que a câmara de ação do Moto G Stylus impeça as pessoas de gravarem vídeos verticais irritantes. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Além disso, o Moto G Stylus vem com o mesmo sensor de 2 MP e lente macro do Moto G Power, e tem um sensor principal com mais resolução (64 MP) que utiliza a combinação de pixels para captar mais luz e oferecer o Modo Noturno para situações de baixa iluminação.

Uma desvantagem do Moto G Stylus em relação ao G Power (além do preço) é que ele vem com uma bateria de 4.000 mAh. E numa decisão que pode decepcionar alguns fãs é que nem Moto G Power ou o Moto G Stylus tem NFC, então eles não irão funcionar como Android Pay. Ainda assim, se você quer um aparelho com uma caneta stylus e não está disposto a gastar muita grana em um Galaxy Note, essa pode ser uma opção.

O Moto G Power e o Moto G Stylus devem ser disponibilizados no próximo trimestre nos EUA. O Gizmodo Brasil entrou em contato com a Motorola que nos disse apenas para “ficarmos ligados nas novidades”.