Além do tablet Xoom, a Motorola anunciou seu novo smartphone topo de linha no Brasil. O Atrix — que felizmente deixou de lado o nome Olympus — chega nas próximas semanas em três operadoras ainda não reveladas e por preços escolhidos por elas (mas nós já temos ideia de quanto a TIM cobrará). Os tão aguardados periféricos, como o dock HD com saída HDMI e o Lapdock, que transforma o smartphone em um notebook, também chegam, mas ainda sem preço definido.

O Atrix, anunciado na CES e que causou alvoroço pela sua mistura de mundos, é o novo xodó da Motorola. Sanjay Jha, presidente da empresa, falou muito sobre convergência de produtos: TV no smartphone, smartphone no tablet, tablet no notebook e toda essa bagunça que veremos nos próximos anos. O Atrix parece ser o início de uma pequena revolução na forma de utilizar smartphones. Mas ele também paga o preço pelo pioneirismo.

A configuração do Atrix é extremamente atualizada: processador dual core de 1GHz, 1GB de memória RAM, tela de 4 polegadas com resolução de 960 por 540 pixels e com Gorilla Glass, 16GB de espaço interno, câmera frontal de 2MP e traseira de 5MP. O único vacilo é a versão do Android, ainda o Froyo, mas Jha prometeu uma atualização “muito em breve”. Em testes rápidos, o aparelho se mostrou bem rápido e a tela agradou bastante.

Os periféricos são um caso à parte: o dock multímida, que ficou ofuscado pelo Lapdock, é bem interessante. Um suporte como o do Milestone original, mas agora com três portas USB e uma saída HDMI para conectá-lo à televisão. Assim, é possível transformá-lo num reprodutor de mídias para a sala enquanto outros periféricos também são aceitos nas 3 USBs.

Já o Lapdock, a provável revolução no mundo dos smartphones, gera sentimentos mistos. Sua carcaça tem bom acabamento e a ausência de componentes internos o deixa com cerca de 1 quilo, mesmo com 11,6 polegadas. Porém, existem alguns problemas: primeiro por fora, já que o Lapdock não será fabricado no Brasil — diferente do Atrix e do Xoom — e teremos de nos contentar com o teclado no padrão americano. Já com o aparelho ligado ao dock, a velocidade de navegação pelo Firefox não impressiona e remete aos netbooks. Outro problema é que ninguém soube especificar o preço do periférico, que lá fora tem o salgado preço de U$500 quando vendido separadamente.

São os primeiros passos de um novo formato, e testaremos com mais calma os docks muito em breve. Por enquanto, o preço do Atrix depende das operadoras — Claro e TIM já anunciaram que venderão o aparelho — mas levando em consideração o que nossas fontes contaram sobre a TIM e uma ou outra frase pescada no evento de hoje, o aparelho ficará na casa dos R$1.999, provavelmente com o dock multimídia no pacote. Que comece a corrida dos novos e grandiosos smartphones com Android. [Motorola]