Nós já vimos o DEXT — conhecido nos EUA como Cliq — mas agora tivemos a chance de usar bastante o smartphone da Motorola com Android e voltado para redes sociais, e estamos impressionados! Continue lendo para saber o que achamos.

Características físicas

O celular é bem menor na vida real do que aparentam as fotos: ele é mais fino que o G1, e fica bastante confortável na mão. Ele tem um conjunto interessante de botões, alguns acréscimos interessantes e algumas misteriosamente ausentes. Não há um botão dedicado para ligações na frente do celular, substituído por um botão virtual na tela inicial. A entrada para fone de 3,5mm está na parte de cima do aparelho (quando o teclado está fechado) e no lado direito ficam os botões de liga/desliga e da câmera. No lado esquerdo ficam o controle de volume, botão de silencioso e a entrada microUSB de energia e dados.

Na frente do celular, há três botões físicos: Menu, Home e Back. Pressionar e segurar o botão Home, ou navegar para uma área que peça entrada de texto, faz o teclado virtual aparecer, uma boa opção se você precisa só escrever algumas palavras, ou quer usar uma mão só para usar o DEXT. A tela capacitiva — como a do iPhone — é muito boa, brilhante e ágil. É tão boa quanto a dos celulares da HTC com Android.

Mas o teclado slider físico, bastante firme e gostoso de digitar, tem um direcional que permite a você navegar pelas cartas, contatos e mais — como fazem os direcionais — e deve ser bastante útil para jogos no futuro. O teclado é bom mesmo: as teclas são grandes e bem espaçadas, e não tem nenhuma borda que se deve evitar, como no G1. É bastante parecido com os teclados da HTC por ser amplo, mas é melhor que qualquer outro teclado da HTC que já vimos.

Este vídeo mostra como funciona a tela principal: eu seleciono o widget "Happenings", navego por algumas atualizações recentes de status, seleciono o nome de algum amigo no Facebook, e aí vêm todas as informações de contatos dele. Ótimo para perseguir pessoas!

Software

O Motorola Blur não é um tema para o Android, como a interface Sense da HTC — é mais uma coleção de widgets e formas de usá-los. Ele coloca redes sociais no centro do aparelho: a maior parte da tela inicial é coberta por duas cartas principais, "Happenings" (O que acontece) e "Mensagens". A carta Happenings agrega todas as atualizações de status do Facebook, Twitter e MySpace; por enquanto o DEXT só vem com estas três redes sociais, mas a Motorola confirmou que é extremamente fácil adicionar mais redes sociais. A carta Mensagens simplesmente agrega todas as mensagens de todas as redes sociais das quais você faz parte: Facebook, e-mail, SMS, mensagem instantânea etc.

As redes sociais são bastante integradas ao celular. Por exemplo, se você clicar em algum contato em qualquer lugar, em qualquer rede social, o celular traz todas as informações do contato em todas as redes sociais das quais a pessoa faz parte. Daí, você se comunica com ela por qualquer rede social.

Quanto à velocidade, é bastante parecida com a de outros celulares com Android no mercado, como o Ion ou o Hero. Não é mais rápido nem é tão fluido quanto, diagmos, o iPhone ou o Palm Pre, mas as transições são boas e o DEXT não é nem um pouco lento. O acelerômetro reagiu mais devagar que o do iPhone, mas não foi muito mais devagar.

E é um celular com Android, então roda todos os aplicativos para Android no mercado. É possível colocar os apps na tela inicial, junto às cartas das redes sociais. Isso é muito legal: uma fabricante de celular pode pegar um celular com Android e direcioná-lo a certos mercados, como pessoas que adoram redes sociais. Podem fazer um para negócios no futuro, voltado para implorar aos outros que entrem na sua lista do LinkedIn. Ou um sistema voltado para e-mail. Há várias possibilidades.