Depois do V3, o aparelho de maior sucesso da Motorola é o Moto G, e nesta quinta-feira (30) a marca compartilhou que eles já venderam mundialmente 100 milhões de unidades do aparelho — 40% disso foi comprado por brasileiros.

Se você não se lembra, a linha Moto G surgiu em 2013. Lembro-me até hoje da estreia do aparelho, que tinha uma tela de 4,5 polegadas, 1 GB de RAM e opção de 8 GB ou 16 GB de armazenamento. Na época, o modelo mais barato custava R$ 649.



A minha recordação da época era ver vários motoristas de táxi usando o aparelho, já que naquela ocasião 99Taxis (que agora é só 99) e EasyTaxi (que agora é só Easy) estavam se espalhando e vários condutores tiveram no Moto G o seu primeiro aparelho.

Com ele, a marca queria sedimentar o segmento de “aparelhos intermediários”, que atualmente é um ramo bem complexo, a ponto de ter intermediário de entrada, intermediário e intermediário avançado. Enfim, com o tempo, a linha foi trazendo inovações de outras linhas mais avançadas, como acabamento de vidro, carregamento rápido, sensores de impressão digital, entre outras características.

Moto G8 PlayMoto G8 Play. Crédito: Guilherme Tagiaroli/Gizmodo Brasil

Passados quase sete anos, creio que seja possível dizer que um dos grandes responsáveis pela Motorola ser a segunda colocada em divisão de mercado no Brasil é o Moto G. É a linha mais longeva da marca na era dos smartphone e a companhia não parece disposta a deixá-la de lado, pelo menos no curto prazo, pois já vimos alguns Moto G8 no ano passado e neste ano deveremos ter pelo menos mais dois aparelhos.

Enquanto isso, a Motorola tem diversificado seu portfólio com a linha Moto One, com recursos que o qualificam na zona tênue de intermediários avançados, o dobrável Razr, que chega ao Brasil em fevereiro, e promete voltar ao segmentos de topo de linha com o Moto Edge+.