Em um dos primeiros estalos que correram a mente de todos após o Google comprar a Motorola foi: “vem aí o Moto Nexus, Nexustone, Motorola Nexus, Nexus M ou seja lá qual será o nome do novo smartphone poderoso do Google”. Pois bem, parece que as coisas não seguiram esse caminho. Andy Rubin, do Google, detalhou o processo do projeto Nexus e deixou claro que a Motorola não terá regalias.

Segundo Rubin, o projeto Nexus é muito mais longo e maior do que o simples lançamento de um aparelho. As fabricantes se estapeiam para ser a queridinha do Google. E a empresa seleciona uma delas, próximo ao Natal de cada ano, para trabalhar de nove a doze meses na criação de um smartphone especial do Google. A relação entre a produção de hardware e software fica bem íntima, com o Google discutindo a produção de semicondutores e tudo mais que envolve um aparelho.

E Rubin deixou claro que essa estratégia não vai mudar por causa da compra. O processo será o mesmo, já que a Motorola funcionará quase de forma independente. Segundo ele, a empresa também poderá tentar emplacar seu aparelho quando a disputa natalina começar. E caso a Motorola tenha sido a escolhida neste ano, não estranhe: o primeiro Nexus foi da HTC e o segundo da Samsung — como a Motorola sempre foi uma grande parceira do Android, será normal pensar que ela tenha sido a escolhida no fim do ano passado. Mas nada de privilégios para a empresa: o Google quer todas as fabricantes do seu lado. [Android Central]