Pesquisadores da Universidade Nacional de San Marcos, no Peru, encontraram em meados de novembro uma impactante múmia amarrada em posição fetal.

A descoberta foi feita no sítio arqueológico de Cajamarquilla e, desde então, os restos mortais ficaram restritos às análises dos pesquisadores. 

Nessa semana, porém, a equipe resolveu aproximar o público da novidade. A múmia foi colocada em exposição no Centro Cultural da Universidade Nacional de San Marcos, na cidade de Lima, no Peru.

A peça está mantida em um ambiente condicionado e protegido por uma vitrine. Confira: 

Imagem: Universidade Nacional de San Marcos/Reprodução

 

Idade entre 800 e 1.200 anos

Os pesquisadores estimam que a múmia tenha entre 800 e 1.200 anos, pertencendo a um período anterior ao Império Inca. O corpo enterrado ali era provavelmente de um homem que faleceu quando tinha entre 18 e 22 anos

A tumba em que foi encontrado, localizada a cerca de dois metros de profundidade no chão, contava ainda com oferendas em cerâmica, restos vegetais e ferramentas de pedra. As características do túmulo e sua localização levam a crer que o falecido tinha certo grau de importância, sendo provavelmente um comerciante.

Imagem: Universidade Nacional de San Marcos/Reprodução

Insights

O corpo estava amarrado por cordas em posição fetal e levava as mãos sobre o rosto. Esse ritual fúnebre era comumente aplicado pelos povos que viviam nas montanhas, sugerindo que o homem teria vindo de lá. A observação reforça a ideia de que Cajamarquilla abrigou no passado serranos e caiçaras, que usavam o local como ponto estratégico de trocas comerciais. 

De acordo com os pesquisadores, o estudo da múmia e de outros achados em Cajamarquilla podem contribuir para um maior conhecimento das práticas culturais desenvolvidas nos períodos pré-hispânicos tardios da região.

A partir da pesquisa, será possível compreender também as antigas estratégias produtivas e até mesmo a situação hierárquica estabelecida pelos indígenas antes da chegada dos Incas.