Nós registramos por aqui alguns dos efeitos que a crise econômica teve no mundo da tecnologia: fim da isenção fiscal para smartphones e PCs; impostos mais altos para produtos importados; e aumento no preço de jogos e consoles.

A crise também foi a responsável pelo fim do Museu da TAM: sem aviso, ele fechou as portas no último dia 29.

A TAM diz à Folha que o museu, localizado em São Carlos (SP), foi vítima da crise econômica. A revista Aeromagazine entra em mais detalhes: a Latam, principal mantenedora do museu, sofreu vários prejuízos e não pode mais arcar com os R$ 300 mil em gastos mensais.

A página do Facebook diz que “o Museu TAM está temporariamente fechado”, mas o site museutam.com.br saiu do ar, redirecionando o usuário para a página da TAM Aviação Executiva.

O presidente do museu, João Amaro, afirma em carta que a suspensão das atividades é “temporária”, para formar mais parcerias e mudar de local – algo que deve levar até cinco anos.

O nosso sonho foi interrompido, mas não acabou! Trata-se de uma pausa para elaboração de um projeto mais amplo, de modernização, adaptação a novas tecnologias, abertura a parcerias e o ressurgimento em um novo local…

O recesso do museu já estava anteriormente previsto, tendo em vista os nossos planos de mudança estrutural. Quis o destino que uma conjuntura de receita em queda e custos em alta em todo o setor aéreo precipitasse a suspensão das atividades do museu e a discussão estratégica sobre sua modernização e sua mudança de local.

O museu retrata a história da aviação no Brasil e no mundo, e conta com um acervo de 96 aeronaves, incluindo o alemão Messerschmitt Bf 109, uma das principais armas de Hitler; o inglês Supermarine Spitfire, usado contra os alemães na Segunda Guerra Mundial; o soviético MiG-21, segundo avião militar mais produzido durante a Guerra Fria; entre outros.

A TAM possui um centro de manutenção de aeronaves em São Carlos, e o espaço do museu pode virar uma extensão desse centro.

E como ficam as aeronaves antigas? Amaro discutia desde o ano passado sobre levar as instalações para o Campo de Marte, em São Paulo. Da Aeromagazine:

O projeto conta com a simpatia do Comando da Aeronáutica, que estuda ceder parte da área que possui para a construção do edifício, que poderá abrigar todo o atual acervo e eventuais novas aeronaves incorporadas. Porém, a prefeitura de São Paulo se mostra relutante ao projeto. Um dos motivos é a disputa pela propriedade do terreno onde se encontra o aeroporto do Campos de Marte.

O museu da TAM foi inaugurado há quase uma década, em novembro de 2006. Dois anos depois, ele foi fechado para uma ampliação, passando de 9.000 m² para 22.000 m², e então foi reaberto em 2010.

Segundo a Folha, o número de visitantes estava abaixo das expectativas: em 2014, foram 110 mil visitas. Um dos problemas era o difícil acesso: o museu fica em São Carlos, a 230 km da capital paulista – chegar de carro não era fácil, muito menos de transporte público. Ainda assim, a prefeitura de São Carlos quer manter o museu, por considerá-lo um patrimônio da cidade.

[Folha e Aeromagazine]

Fotos via Facebook; atualizado às 15h57