A onda dos vídeos curtos, seja no TikTok ou no Instagram Reels, tem cada vez mais espaço entre os influenciadores de todas as partes do mundo. Caíram no gosto do público e ganham mais notoriedade até que grandes empresas. 

Exemplo disso são os espectadores no enorme mercado do sudeste da Ásia onde estão cada vez mais se envolvendo com conteúdo de vídeo gerado por influenciadores, em vez de conteúdo gerado por marcas, segundo pesquisas da Tubular Labs.

Os dados foram apresentados durante a convenção de influenciadores e criadores de conteúdo VidCon Asia, realizada como parte do Singapore Media Festival, na última quinta-feira (25). 

Segundo a empresa de medição e análise de vídeo, patrocinadora do evento, os usuários do sudeste asiático, tendem a ter um relacionamento mais forte com influenciadores individuais, consumindo até quase duas vezes mais conteúdos do que com vídeos publicados por marcas.

No YouTube Shorts também

Ainda a pesquisa, as visualizações do público do sudeste asiatico do YouTube #shorts, que tem formato curto para tentar concorrer com as plataformas TikTok e Instagram Reels, aumentaram para mais de 10 bilhões de visualizações entre janeiro e outubro de 2021. 

Assine a newsletter do Gizmodo

A Tubular ainda fez um alert para as marcas e empresas de marketing sobre a escolha de seus influenciadores. Também fez uma ressalva para seguirem métricas mais antigas na avaliação do  alcance do influenciador.

“O número de assinantes sempre foi a métrica do sucesso, mas não diz realmente o quão engajado o público está. Por exemplo, eles podem estar inscritos no conteúdo, mas não estão mais assistindo”, disse Stephan Jenn, chefe da Ásia-Pacífico para a Tubular. “Eu recomendo métricas como visualização única e minutos assistidos para realmente avaliar o alcance e o envolvimento de um influenciador.”