Há três meses, a sonda lunar indiana Vikram caiu na Lua. Nesta segunda-feira (2), a NASA confirmou a localização exata do local do acidente. O mais interessante é que a agência deu os créditos a Shanmuga Subramanian — um desenvolvedor de aplicativos e observador espacial amador indiano — por detectar os restos do módulo perdido.

Não é todo dia que você é aplaudido pela NASA por fazer uma descoberta importante, então podemos imaginar a emoção que Subramanian deve ter sentido quando postou este tuíte.

Tradução: A NASA me creditou por ter achado a sonda lunar Vikram na superfície da Lua

Subramanian, engenheiro mecânico e desenvolvedor de aplicativos, encontrou o campo de destroços enquanto examinava meticulosamente uma fotografia tirada pela Câmera do Orbitador de Reconhecimento Lunar (LROC, na sigla em inglês) da NASA alguns dias após o acidente. A NASA divulgou a foto — uma imagem em mosaico da provável área onde o Vikram caiu — em 26 de setembro de 2019, na esperança de que o público pudesse ajudar a localizar a sonda caída e seu campo de destroços.

A estratégia funcionou: a NASA confirmou oficialmente a localização do local do acidente em um tuíte publicado na segunda (2).

Lançado em julho de 2019 como parte da missão Chandrayaan-2, o módulo lunar Vikram foi o esforço da Índia para se tornar o quarto país a pousar uma sonda na Lua. Infelizmente, a sonda não conseguiu fazer uma aterrisagem suave. A cena que trouxe uma amarga lembrança da missão Beresheet, de Israel, que falhou alguns meses antes da queda do Vikram.

Durante as primeiras horas do dia 7 de setembro, com milhões de cidadãos indianos animados assistindo, a sonda ficou em silêncio quando estava a 2,1 quilômetros acima da superfície lunar. Ela não conseguiu diminuir a velocidade e colidiu com a Lua a cerca de 180 quilômetros por hora. A Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO, na sigla em inglês) tentou fazer contato com o módulo de aterrissagem por semanas, mas não obteve sucesso e acabou desistindo.

Subramanian avistou o campo de destroços no início de outubro, mas a NASA levou várias semanas para confirmar a descoberta. Uma imagem anotada do local do acidente mostra vários pedacinhos espalhados por uma área que se estende por vários quilômetros.

Em um e-mail enviado a Subramanian, o vice-cientista do projeto LROC, John Keller, pediu desculpas pelo atraso, dizendo “precisávamos ter certeza de nossa interpretação da observação, além de garantir que todas as partes interessadas tivessem a oportunidade de comentar antes de anunciarmos os resultados”.

Quanto à causa da falha no pouso, o ISRO diz que houve um erro no software de orientação da sonda. A Índia, porém, parece não ter se abalado com o revés. O país planeja tentar novamente com a missão Chandrayaan-3, que pode pousar na Lua em novembro de 2020.