Para se preparar para o pouso pendente da OSIRIS-REx na superfície de Bennu, a NASA usou a sonda para fotografar todos os cantos do asteroide de formato estranho. O objetivo deste exercício foi catalogar características geológicas potencialmente perigosas, mas um benefício colateral é que temos uma nova e maravilhosa visão da superfície tortuosa do asteroide.

Mais de 2.150 imagens foram costuradas para criar esta impressionante imagem em mosaico de Bennu, um asteroide atualmente localizado a cerca de 236 milhões de quilômetros da Terra. A OSIRIS-Rex usou seu gerador de imagens PolyCam para tirar essas fotos de 7 de março a 19 de abril de 2019, de acordo com um comunicado de imprensa da NASA.Uma visualização ampliada. Imagem: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

A sonda passou de 3,2 a 5 quilômetros acima da superfície, capturando detalhes finos e produzindo imagens em vários ângulos e condições de iluminação. O mosaico resultante apresenta uma resolução de 5 centímetros por pixel, que é a “maior resolução na qual um corpo planetário foi mapeado globalmente”, de acordo com a NASA. Bennu mede 490 metros de diâmetro e sua estranha forma de pião surpreendeu os cientistas quando a OSIRIS-REx chegou ao asteroide em dezembro de 2018.

Essas imagens foram tiradas como parte de uma extensa pesquisa para mapear possíveis locais de coleta de amostras para a missão. A sonda está programada para tocar brevemente na superfície no final de agosto, quando tentará extrair amostras da superfície. Quando a missão estiver concluída em 2021, a OSIRIS-REx voltará para casa, trazendo sua carga para a Terra em setembro de 2023. A OSIRIS-REx representa a primeira tentativa da NASA em uma missão de retorno de amostras de asteroides. A análise desses materiais poderia lançar uma nova luz sobre como era o sistema solar quando se formou.

Dos quatro locais de pouso selecionados, uma cratera chamada Nightingale foi escolhida como a mais adequada para a OSIRIS-REx. Imagem: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

Essas imagens foram usadas posteriormente para identificar quatro locais de coleta em potencial, incluindo uma cratera de 140 metros de largura apelidada de “Nightingale”(“Rouxinol”, em tradução livre), o local escolhido para o pouso pendente. Este não foi um processo fácil, pois bons pontos de aterrissagem são raros neste asteroide repleto de pedras.

A aterrissagem e a extração de amostras serão mais difíceis do que a NASA previa, forçando a agência espacial a rejeitar uma estratégia anterior na qual a sonda usaria o LIDAR para navegação. Em vez disso, os planejadores de missão usarão um método mais preciso chamado Rastreamento de Recursos Naturais. Para funcionar, essa técnica óptica requer um mapa detalhado da superfície, portanto, a pesquisa de imagem da OSIRIS-REx feita no ano passado.

Imagem conceitual mostrando características perigosas na superfície de Bennu, que foram identificadas antes do pouso programado. Imagem: NASA/Goddard/Universidade do Arizona

Durante a descida, a sonda vai comparar suas imagens de navegação em tempo real com o mapa recém-criado. À medida que se aproxima da superfície, o sistema de Rastreamento de Recursos Naturais calculará o ponto de aterrissagem previsto com base na posição da OSIRIS-REx e nos pontos de referência conhecidos. Além disso, a NASA criou um mapa de riscos, no qual as características mais perigosas do asteroide, como rochas pontiagudas e penhascos íngremes, foram sinalizadas. O sistema foi projetado para funcionar de tal maneira que, se os sensores da sonda detectarem esses riscos, ele recuará autonomamente. Se não houver riscos, a descida poderá continuar.

Os planejadores da missão estão se preparando para um ensaio de aterrissagem em abril, a menos que a pandemia de COVID-19 em andamento interfira de alguma forma. A NASA, como o resto do mundo, está tomando grandes precauções para retardar a propagação da doença, resultando no fechamento temporário de várias instalações. Felizmente, o projeto OSIRIS-REx não está listado entre os muitos projetos da NASA atualmente afetados pelo surto de COVID-19. Vamos torcer para que continue assim, pois não há muito o que esperar nestes dias.