Após dias de preocupação sobre quando e onde um foguete chinês fora de controle cairia na Terra, a China anunciou no início do domingo que o foguete havia caído no Oceano Índico, perto das Maldivas. Embora não esteja claro se os destroços causaram algum dano, a Nasa repreendeu duramente a China pela irresponsabilidade em relação aos seus destroços espaciais.

Em um comunicado divulgado no domingo após a queda do foguete, o administrador da Nasa, Bill Nelson, disse que as nações que viajam pelo espaço devem minimizar os riscos para as pessoas e propriedades na Terra quando se trata de reentradas de objetos espaciais. Nelson também afirmou que era importante maximizar a transparência em relação a essas reentradas. Neste caso, os detritos espaciais consistiam no estágio central de um foguete Longa Marcha 5B, que tinha 30 metros de comprimento e 5 metros de largura.

Com um peso de 23 toneladas, o estágio principal é um dos maiores objetos de fabricação humana a realizar uma reentrada descontrolada.

“Está claro que a China não está cumprindo os padrões responsáveis ​​em relação aos seus detritos espaciais”, disse Nelson. “É fundamental que a China e todas as nações e entidades comerciais espaciais ajam com responsabilidade e transparência no espaço para garantir a segurança, estabilidade, proteção e sustentabilidade de longo prazo das atividades espaciais.”

Especialistas observaram o foguete de perto nos últimos dias, preocupados com a possibilidade, embora muito pequena, de os destroços caírem sobre áreas habitadas. No entanto, as chances sempre foram fortemente inclinadas para uma queda no oceano, que cobre a maior parte da Terra, ou em áreas desabitadas.

A Agência Espacial Tripulada da China disse em um comunicado no domingo, que só pode ser visto no Wayback Machine porque o site estava fora do ar no momento da publicação, que grande parte do Longa Marcha 5B queimou durante a reentrada.

A China lançou o foguete no final de abril como parte de seu ambicioso projeto de criar sua própria estação espacial, que se chamará Tiangong. O Longa Marcha 5B carregava o Tianhe, ou Harmonia dos Céus, de 16 metros, que é o módulo principal da estação. Se tudo correr conforme o planejado, Tianhe será a parte da estação que abrigará os astronautas da China, que ficarão na estação por períodos de até meio ano.

O lançamento de Tianhe foi o primeiro de 11 lançamentos programados necessários para tornar Tiangong operacional no final de 2022.

Por que tivemos um Longa Marcha 5B descontrolado? Neste caso, o estágio central do foguete carregou e colocou o módulo Tianhe em órbita. (Vários boosters menores caíram logo após o lançamento e pousaram com segurança no Oceano Pacífico). Depois de lançar o módulo Tianhe, a China optou por não disparar o motor do Longa Marcha 5B para que ele pudesse sair de órbita e eventualmente pousar em uma área desocupada. Isso fez com que o estágio central fizesse uma reentrada descontrolada.

Esta não é a primeira vez que vimos um Longa Marcha 5B chinês fazer uma reentrada descontrolada. No ano passado, um foguete carregando um protótipo da cápsula de tripulação de próxima geração da China passou pela mesma situação. Esse incidente resultou em destroços do foguete danificando vários edifícios na Costa do Marfim, embora felizmente não tenha havido vítimas relatadas.

Assine a newsletter do Gizmodo

Considerando o projeto da estação espacial da China, mais lançamentos do Longa Marcha 5B são esperados. Portanto, há uma chance de que isso aconteça novamente. Também é possível que futuras reentradas descontroladas possam causar sérios danos à Terra. A possibilidade não apenas justifica a declaração da Nasa, mas a torna necessária.

“Uma reentrada no oceano sempre foi estatisticamente a mais provável. Parece que a China ganhou sua aposta (a menos que recebamos notícias de destroços nas Maldivas). Mas ainda foi imprudente”, disse Jonathan McDowell, astrofísico do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics.