Na rara ocasião de dar algo errado em uma missão com ônibus espacial, a NASA está pronta com um plano de resgate que indiscutivelmente faria muitos diretores de Hollywood e atores durões se mijarem nas calças.

Veja se você consegue visualizar isto:

A missão principal com o ônibus espacial, Atlantis, sofre outro incidente com espuma e o escudo de calor é danificado além do ponto de poder ser consertado. Ao tomar conhecimento do problema, a NASA organiza uma equipe de resgate com quatro astronautas, que devem se preparar para lançamento em poucos dias. Normalmente, como você deve saber, lançamentos são tarefas complexas que exigem meses de preparação. Mas não se preocupe. A Endeavour decola com sucesso e a equipe de resgate voa pro espaço. De fato, a Endeavour é colocada em uma contagem regressiva de decolagem de sete dias a partir do lançamento da Atlantis de qualquer jeito, então ela tecnicamente está pronta para sair a partir do primeiro minuto.

Uma vez em órbita, o capitão do ônibus espacial da equipe de resgate deve pilotar sua nave a algumas dezenas de metros da nave em apuros. Uma vez lá, o braço robótico é estendido para agarrar a nave manca, servindo então como cabo de energia para a tripulação. A bordo da nave de resgate estão equipamentos e trajes espaciais extras, então toda a tripulação de sete pessoas da Atlantis poderão andar pelo espaço até a Endeavour durante o decorrer de alguns dias.

A Endeavour, agora lotada até o talo, deve então voltar pra casa. Quanto à Atlantis, ela será resgatada apropriadamente por uma equipe se aprontando lá no controle de missão. Usando um sistema de controle remoto, eles jogarão o ônibus espacial no Oceano Pacífico e tentarão depois recuperar seus destroços.

A equipe da Endeavour deve então verificar se há danos na nave deles e torcer de forma bastante esperançosa que não haja nenhum. Veja bem: não há outro ônibus espacial lá na base e a ISS está em uma órbita além do alcance para qualquer uma das naves durante esta missão (observação: outras missões usaram a ISS como plano B quando havia órbitas compartilhadas e outras detalhes assim).

Novamente, isto é raro. Mas é bom saber que nossos homens e mulheres espaciais cobrem uns aos outros por lá. [MSNBC]