Suprimentos para a tripulação, uma nova câmara de descompressão, algumas peças sobressalentes e um monte de experimentos científicos foram enviadas à Estação Espacial Internacional (ISS), após o lançamento bem-sucedido no domingo (6) de um veículo de reabastecimento SpaceX Dragon atualizado.

O lançamento da missão CRS-21 aconteceu no domingo às 11h27 EST (13h27, no horário de Brasília), quando um SpaceX Falcon 9 decolou do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida. Este foi o quarto voo deste propulsor em particular, que pousou com sucesso em um droneship no Oceano Atlântico. Para a SpaceX, isso marca sua 21ª missão de reabastecimento para a agência espacial, de acordo com a NASA. A nave espacial, com seus 2.900 kg de carga, chegou à ISS na segunda-feira (7).

O lançamento (que você pode rever na NASA TV) acontecerá de forma autônoma, o que será algo inédito para um veículo de reabastecimento SpaceX. O Dragon usado para esta missão é uma versão atualizada da espaçonave, chamada Dragon 2 Cargo Capsule, e possui 12 cabines de carga em vez das seis habituais. Elas permitem a preservação de amostras sensíveis durante o transporte para o posto orbital e de volta à Terra. Um total de quatro cabines estão sendo usadas ​​para a missão atual.

Curiosamente, esta marca a primeira vez que a SpaceX tem duas cápsulas Dragon em órbita ao mesmo tempo, relata o The Verge. Um Dragon está atualmente ancorado na ISS e, com a chegada do novo Dragon 2, serão dois.

Especificações da nave espacial Dragon. Imagem: NASA

Entre os vários suprimentos a bordo, a Dragon traz uma ceia de Natal que consiste em peru assado, molho para pão de milho, molho de cranberry, biscoitos amanteigados e cobertura de açúcar, relata a Associated Press. Ela também vai entregar equipamentos de caminhada espacial, hardware de veículos, recursos de computador, alguns hardwares russos e equipamentos para realizar experimentos científicos.

Mais especificamente, a tripulação receberá atualizações para o Conjunto do Processador de Água, peças sobressalentes e consumíveis (por exemplo, lenços desinfetantes) para o banheiro recém-construído de US$ 23 milhões (que será necessário para acomodar a tripulação de sete pessoas), 40 ratos, novo hardware para abrigar esses roedores, e um suporte de fita adesiva projetado por estudantes do ensino médio como parte do desafio HUNCH da NASA.

Resumo da carga da espaçonave Dragon. Imagem: NASA

A ISS também está recebendo um novo brinquedo, o Nanorocks Bishop Airlock, junto com um kit de instalação para a equipe. Esta será a primeira câmara pressurizada operada comercialmente na estação espacial. Uma vez instalada, a tripulação a usará para implantar pequenos satélites (incluindo Cubesats) e equipamentos destinados ao exterior da ISS, entre outras coisas. O dispositivo também será usado para implantar e recuperar equipamentos utilizados em caminhadas espaciais.

“Aproximadamente cinco vezes maior do que a câmara de descompressão do Módulo Experimental Japonês que já está em uso na estação, o Bishop Airlock permite o movimento robótico de mais pacotes, e de tamanhos maiores, para o exterior da estação espacial, incluindo equipamentos para dar suporte a caminhadas espaciais”, de acordo com a NASA. “Ele também oferece recursos como energia e ethernet necessários para cargas úteis internas e externas.”

Como se isso não fosse suficiente para manter a tripulação ocupada nos próximos seis meses, eles também terão que realizar uma série de experimentos científicos. Isso incluirá experimentos de biomineração para avaliar a eficiência de microrganismos, incluindo fungos, para extrair elementos de terras raras de rochas e amostras de meteoritos em condições de microgravidade. A tripulação também testará os efeitos da microgravidade no tecido cardíaco, organoides cerebrais (massas vivas de células cerebrais) e na contagem de leucócitos, sendo que a última é um importante biomarcador de saúde.

A equipe também executará o experimento SUBSA-BRAINS, também conhecido como brasagem de ligas de alumínio no espaço. Brasagem é um tipo de solda utilizada para fundir materiais. Como a NASA aponta, a tripulação testará a técnica em ligas de alumínio, no que é considerado uma solução potencial para o “reparo de veículos espaciais/habitats danificados e para construção na microgravidade do espaço ou em habitats humanos”.

Isso tudo vai deixar os próximos meses mais interessantes, e estaremos acompanhando todos esses desenvolvimentos de perto. Esperamos que as condições a bordo da ISS sejam menos drásticas do que foram nos últimos meses, quando a tripulação teve que lidar com problemas na suplementação de oxigênio e até com um banheiro quebrado.