Pálido ponto azul: NASA lança versão remixada da icônica foto da Terra vista do espaço

Uma foto da Terra, tirada pela sonda Voyager 1 a uma distância de 3,7 bilhões de km, foi reprocessada pela NASA para comemorar o 30º aniversário da imagem.

A fotografia reprocessada do Pálido Ponto Azul tirada pela Voyager 1 em 14 de fevereiro de 1990. Imagem: NASA/JPL-Caltech

Uma humilde foto da Terra, tirada pela sonda Voyager 1 a uma distância de 3,7 bilhões de quilômetros, foi reprocessada pela NASA para comemorar o 30º aniversário da imagem.

Em 14 de fevereiro de 1990, a sonda Voyager da NASA virou sua câmera em direção à Terra, resultando em uma das fotos mais impressionantes já tiradas.

Ao contrário de outras fotos da Terra, nas quais nuvens e continentes são visíveis, esta foto retratou nosso planeta como uma pequena partícula de luz parecida com uma estrela, ou um “pálido ponto azul”, como o astrônomo Carl Sagan mais tarde descreveria. A Voyager 1 nos forneceu uma visão da Terra à qual não estávamos acostumados.

“Aquilo é aqui. Aquele é o nosso lar. Somos nós”.

“Olhe novamente para esse ponto. Aquilo é aqui”, escreveu Sagan em seu livro de 1994, Pálido Ponto Azul: Uma Visão do Futuro Humano no Espaço. “Isso é o nosso lar. Somos nós”.

Para comemorar o trigésimo aniversário dessa imagem icônica, os cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA decidiram dar uma nova olhada nesta foto antiga. Usando novas ferramentas e técnicas de processamento de imagens, e com o objetivo de “respeitar a intenção daqueles que planejaram a imagem”, nas palavras de um comunicado de imprensa da NASA, a foto parece mais limpa, mais nítida e mais brilhante do que nunca (uma versão completa da imagem reprocessada pode ser encontrada aqui).

Uma imagem ampliada da Terra como aparece na foto reprocessada. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Gizmodo

A fase de exploração primária da missão Voyager 1 chegou ao fim quando esta foto da Terra foi tirada. Lançada em 1977, a sonda realizou sobrevoos de Júpiter e Saturno, adquirindo fotos em close-up sem precedentes dos gigantes do gás.

No início de fevereiro de 1990, a Voyager estava a 6 bilhões de quilômetros da Terra, ou 40,11 UA, na qual 1 UA é a distância média da Terra ao Sol. A sonda estava além de Netuno e situada cerca de 32 graus acima do plano eclíptico do Sistema Solar. A Voyager 1 estava tão longe no momento em que a foto foi tirada que a luz da Terra levou 5 horas e 36 minutos para alcançá-la. Sabemos que estamos olhando para o passado quando vemos o cosmos, mas raramente consideramos nossa própria tecnologia olhando para nós através do tempo.

A Voyager 1 conseguiu visualizar nosso planeta através de três filtros de cores: violeta, azul e verde. Combinados, esses filtros espectrais permitiam uma visualização de cores falsas. A imagem resultante mostrava a Terra como uma mancha azul clara – com menos de um pixel de largura – flutuando no espaço e interseccionada por um raio dramático de luz solar dispersa, um artefato da câmera da Voyager.

“O planeta ocupa menos de um pixel na imagem e, portanto, não é tão fácil distingui-lo”, segundo a NASA.

A versão original do Pálido Ponto Azul. Imagem: NASA/JPL

A versão recém-processada do Pálido Ponto Azul não é tão escura quanto a original, e seus vários artefatos, principalmente os causados ​​pela extrema ampliação e brilho do Sol, foram minimizados.

“O brilho de cada canal de cor foi equilibrado em relação aos outros, o que provavelmente é o motivo pelo qual a cena parece mais brilhante, mas menos granulada que a original”, explicou a NASA em um comunicado de imprensa. “Além disso, a cor foi equilibrada para que o raio de sol principal (que se sobrepõe à Terra) parecesse branco, como a luz branca do sol”.

Os 60 quadros que compõem o Retrato de Família do Sistema Solar. Imagem: NASA/JPL

Foi também durante esse período de 1990 que a Voyager capturou visões semelhantes de Netuno, Urano, Saturno, Júpiter, Terra e Vênus (imagens de Marte, Mercúrio, Plutão não eram possíveis) e do Sol. Coletivamente, essas fotos são conhecidas como Retrato de Família do Sistema Solar, uma ideia concebida por Sagan, que morreu em 1996. Curiosamente, essas fotos não foram planejadas com antecedência, e Sagan teve que defender repetidamente sua importância.

O Pálido Ponto Azul acabou sendo um tipo de conquista final para a missão Voyager 1. A equipe da Voyager desligou permanentemente a câmera da sonda 34 minutos depois de tirar as 60 fotos que agora compõem o mosaico do Retrato de Família para economizar energia.

Essa e outras ações de economia de energia permitiram que a Voyager 1 e sua sonda irmã, Voyager 2, continuassem funcionando durante esta fase prolongada da missão. As sondas, que passaram pela heliosfera do Sistema Solar, ainda têm muitos anos de vida pela frente.

Sair da versão mobile