Quatro bilhões e meio de anos atrás, uma nuvem rodopiante de poeira cósmica se condensou até formar o pedaço de rocha que chamamos de lar. E, pela primeira vez, astrônomos estão assistindo a esse mesmo processo de formação de planetas que está acontecendo ao redor de uma estrela distante.

A estrela em questão, LkCa15, está a 450 anos-luz da Terra, no centro da imagem acima. Ela está rodeada por uma mistura de gás e poeira (em cinza) chamada disco protoplanetário. Nuvens cósmicas de poeira são comuns ao redor de estrelas pequenas, mas o disco da LkCa15 é bem incomum: alguma coisa comeu o seu centro. De acordo com uma análise de astrônomos da Universidade do Arizona, nos EUA, essa coisa é um planeta – um planeta que está em processo de formação nesse momento.

À medida que planetas emergem a partir de um disco protoplanetário, nossos modelos sugerem que um clarão central deve começar a se desenvolver. E é exatamente o que vemos ao redor de LkCa15. Então a equipe de astrônomos percebeu que estava olhando para uma coisa interessante.

Mas a ficha só caiu com a chegada de imagens mais nítidas da estrela, capturadas pelo Grande Telescópio Binocular da Universidade do Arizona e pelo Telescópio Gigante de Magalhães no Chile. Essas imagens mostram fontes pontuais de calor em espiral sobre o clarão, ou, como os pesquisadores disseram, “vários acompanhantes em órbita kepleriana”.

O “acompanhante” mais íntimo da estrela – a bolha pixelizada azul e vermelha na imagem acima – está emitindo hidrogênio-alfa. Essas emissões indicam gases quentes (cerca de 9.700ºC) caindo “nas profundezas do poço de um planeta em desenvolvimento”.

“Essa é a primeira vez que temos imagem de um planeta que definitivamente ainda está em processo de formação,” disse Peter Tuthill, coautor do artigo científico que descreve a descoberta e que foi publicado na Nature.

Os telescópios finalmente estão ficando potentes o bastante para que astrônomos vejam imagens de objetos mais próximos a estrelas vizinhas. À medida que nossos instrumentos continuam a melhorar, podemos testemunhar muitos outros nascimentos planetários. Mas, por enquanto, essa é uma oportunidade única, uma amostra de como nossa astronomia conseguiu chegar longe. [Nature]