A Netflix está buscando entrar na onda das empresas de tecnologia que querem evitar pagamento de taxas à Apple na App Store. Se você não conseguir acessar sua conta no app em seu dispositivo Apple, você pode ter que se logar em um navegador. Ainda que a empresa seja bilionária, isso não é uma notícia muito boa para a companhia da maçã.

Netflix agora tem “download inteligente” no aplicativo do Android
O truque da Netflix para não quebrar literalmente a internet no Brasil e no mundo



A App Store gerou uma receita de US$ 11,5 bilhões no ano passado. Esse dinheiro vem basicamente da taxa de 30% que a Apple cobra de vendas feitas pela loja. Dos milhões de apps disponíveis na App Store, o da Netflix é o terceiro com o maior faturamento. No entanto, segundo o TechCrunch, a empresa de streaming está testando formas de evitar o pagamento dessa taxa que dá tanto lucro para a Apple.

Até recentemente, se um usuário baixasse o app da Netflix em seu dispositivo Apple e assinasse o serviço, o pagamento era feito por meio da Apple. Agora, alguns usuários estão sendo informados que eles precisam renovar suas assinaturas acessando um navegador. Essa inconveniência (para os usuários) é grande parte do modelo de negócio da Apple, pois é muito fácil só confirmar o pagamento usando o reconhecimento facial ou a impressão digital.

Esse teste foi primeiro detectado pelo NDTV, que teve que passar por esse processo de fazer login no serviço em acesso feito na Índia. O TechCrunch confirmou com um atendente da Netflix e um porta-voz que a companhia começou a testar isso em junho e que expandiu para outros 33 países em agosto. E esse processo vai continuar até 30 de setembro.

Aparentemente, será expandido para mais países se a empresa tiver sucesso. Nós contatamos a companhia para comentar sobre isso, e um porta-voz nos respondeu que eles estão “constantemente inovando e testando novas formas de inscrição em diferentes plataformas para entender melhor o que nossos assinantes gostam mais. Baseado no que já aprendemos, nós trabalhamos para melhorar a experiência Netflix para membros de todo o mundo”.

A lista completa de países inclui Brasil, México, Austrália, Canadá e Alemanha — os EUA não estavam na relação. Além disso, essa nova política só se aplica a alguns usuários desses países. Outros continuam pagando por meio do iTunes normalmente.

No mês passado, as ações da Netflix foram afetadas, pois a empresa não conseguiu aumentar consideravelmente o número de novos assinantes. Parece que o serviço de streaming está tentando aumentar suas receitas o máximo possível. Em maio, a companhia cortou o sistema de pagamento que mantinha junto à Play Store, do Google. Como sabemos, o Android é um ecossistema mais aberto para desenvolvedores, e poucos se arriscam a tomar medidas como a da Netflix no ecossistema da Apple.

Nós já vimos o Spotify cortar o pagamento de assinaturas por meio da Apple e da Amazon e forçar que os usuários realizem o processo pelo navegador, como uma forma de dar dinheiro para seus rivais. No momento, o app mais rentável da App Store é o Fortnite, que promove uma série de compras dentro do aplicativo. O game recentemente foi disponibilizado para Android e pode ser baixado por um site próprio da desenvolvedora do game. Isso fez com que golpistas se aproveitassem da situação e criassem sites falsos.

A questão de evitar “monopólios no mercado de apps” é que você precisa ser uma empresa gigante e já estabelecida. A desenvolvedora do Fortnite pode fazer o que quiser agora, pois o game é um fenômeno que faz as pessoas gastarem dinheiro por impulso.

No caso da Netflix, faz sentido o teste cauteloso. A companhia está mudando, as opções de títulos estão ficando menores, e suas produções originais vão ficando mais fracas. A empresa também recentemente desativou um sistema de avaliação e passou a adicionar propagandas da programação da companhia entre episódios. Ao mudar as opções de pagamento, a companhia corre o risco de os usuários se questionarem se vale a pena ou não renovar a assinatura.

A Apple vai continuar na boa. A primeira empresa a atingir o valor de mercado de US$ 1 trilhão pode aguentar muitas tempestades. Certamente, a companhia não vai gostar se essa tendência se tornar popular entre outros apps. Porém, se a Netflix representar algum perigo, a Apple pode simplesmente comprar a empresa, como alguns analistas cautelosamente previram no ano passado.

[TechCrunch]