Nos últimos meses, quando ditaduras começaram a bloquear seus usuários da internet, foi um bom sinal de que logo iriam cair. Foi o que aconteceu no Egito e também na Líbia. Será que o mesmo vale para a Síria? Ontem, por 40 minutos, ela sumiu da internet: o governo desconectou totalmente o país.

Parece que 40 minutos é pouco, mas isso teve efeitos sérios, como explica a empresa de monitoramento de internet Renesys:



Por cerca de 40 minutos, todas as redes que passam pela incumbente síria, a Syrian Telecom (AS29256 e AS29386) foram retiradas da tabela de roteamento global, efetivamente removendo a maior parte da Síria da internet.

A Syrian Telecom é afiliada do governo. Ainda não está claro por que o regime decidiu desligar a internet nesse momento, e por 40 minutos.

Isto pode ser uma eternidade para os manifestantes que se rebelam abertamente contra o líder tirânico, o presidente sírio Bashar al-Assad. A internet foi instrumental na revolução da Líbia, e é fácil imaginar que um canal direto ao restante do planeta seria tão útil para quem luta pela liberdade no país – nem que seja para mostrar as condições por lá. [Renesys via Spencer Ackerman]