É bem provável que você tenha agora mesmo no seu bolso a invenção que deu o Prêmio Nobel de Física a três cientistas. O diodo emissor de luz azul, que conhecemos como LED (da sigla em inglês para light-emitting diode) está em milhões de telas de smartphones pelo mundo, além de muitas lâmpadas LED eficientes em energia. E os responsáveis pela descoberta revolucionária vão levar para casa o Prêmio Nobel de Física.

>>> Cientistas que descobriram o GPS natural do cérebro vão ganhar o Nobel de Medicina

Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura trabalharam no LED azul no Japão nos anos 1990. Na época, os LEDs vermelho e verde já existiam há décadas, mas o azul se mostrava elusivo. Lembre-se que verde, vermelho e azul juntos criam luz branca, então para lâmpadas e telas coloridas, o azul era crucial.

Para fazer os LEDs brilharem em azul, os pesquisadores precisaram criar um novo material. Os LEDs emitem luz quando elétrons passam por camadas de material semicondutor – a cor da luz depende da composição desse material. Akasaki, Amano e Nakamura conseguiram criar o LED azul a partir do elemento gálio.

Vinte anos depois, os LEDs estão bem próximos de conquistar o mundo, graças ao seu brilho e eficiência em energia. E, diferentemente das lâmpadas incandescentes, os LEDs não emitem calor junto com a luz. Eles estão em toneladas de smartphones, televisões e computadores – basicamente qualquer coisa com uma tela iluminada. As lâmpadas LED também estão substituindo as incandescentes e fluorescentes, mudando o visual das nossas cidades, filmes e luminárias.

Não é sempre que o impacto das descobertas vencedores do Nobel da Física é sentido tão diretamente nas nossas vidas. Para todos os lugares que você olha – talvez incluindo até a tela na qual você está lendo isso – você encontrará LEDs. Então parabéns aos três físicos! [Nobel]

Imagme de topo: LED azul. Crédito: Gussisaurio/CC