A Nokia e a Intel estão ambas dando pistas de que estão trabalhando juntas em um chip móvel — uma jogada que pode resolver problemas sérios para ambas. O caso de amor entre Intel e Nokia, pelo que parece, vai além do MeeGo.

A teoria surgiu depois do anúncio do MeeGo nesta segunda-feira, um filhote de nome estranho que sairá do cruzamento entre o sistema operacional Maemo, da Nokia, e a plataforma para netbooks e tablets Moblin, da Intel. A teoria segue assim:



  1. A Intel e a Nokia estão trabalhando em alguma coisa juntas, é claro;

  2. A Nokia tem evitado dizer que a Qualcomm será a fornecedora dos chips para certos hardwares futuros;

  3. O site SemiAccurate disse que a Nokia e a Intel estão trabalhando em um chip baseado no Atom chamado Penwell, que, por vários motivos técnicos (incluindo espaço a mais para componentes a mais, criado pelo processo de fabricação de 32nm), parece que estará presente em um sistema-em-um-chip, assim como o Snapdragon da Qualcomm, ou o A4 da Apple;

  4. Isso faria sentido para ambas as empresas, logo, bem, isso faria sentido para ambas as empresas!

Os smartphones atuais da Nokia sofrem para encontrar espaço nos EUA e estão perdendo espaço no mundo, fora que a linha de netbooks da empresa ainda está engatinhando, logo uma parceria com a Intel poderia ajudá-los a desenvolver hardware de alta qualidade e diferenciados, para ser usado em dispositivos móveis e justificar os preços altos praticados por lá. Para a Intel, a Nokia seria uma grande parceira — ela ainda é a maior empresa de celulares do mundo — então ficar com eles não deve ser algo ruim.

Vale a pena lembrar que uma parceria dessas faria sentido, mas não seria de forma alguma vital: a Intel pode se virar bem sem a Nokia, e vice-versa. Mas imagine se as duas se juntassem! Isso seria… mais ou menos interessante, para certas pessoas! [Ars Technica]