Líderes de mercado emplacam tendências e, então, são seguidos pelos demais. Isso acontece em todas as áreas da indústria. Mas ao mesmo tempo em que uma horda tenta imitar o que o líder faz na esperança de repetir o seu sucesso, existem aqueles que tentam fazer diferente. Nos smartphones, a Nokia está em busca dessa ruptura.

Em entrevista à Wired, Marko Ahtisaari, chefe do estúdio de design da Nokia e responsável pela cara da linha Lumia, descreveu como é essa busca pelo diferente, por algo que fuja do design “retângulo preto com bordas arredondadas”, tão batido que já virou piada aí nos comentários. Retrospecto ele tem; você pode achar os Lumias ruins ou feios, mas é inegável que em nada a linha de Windows Phones da Nokia lembra o iPhone, ou os Galaxies da Samsung. Ahtisaari os descreve da seguinte forma:

“Nossos produtos são humanos. Eles são naturais. Eles nunca são frios. Em parte, isso é alcançado pela cor, mas também pela forma como ele se encaixa na mão. Isso parece menos com um produto saído de uma linha de montagem (embora ele seja), mais com um produto que tenha crescido em uma árvore. A melhor forma de defini-lo é que ele é pós-industrial.”

Na matéria, assinada por Steven Levy, é citada também a parceria entre Nokia e Microsoft para que a naturalidade almejada por Ahtisaari chegasse ao software. Os tons disponíveis para personalizar a interface do Windows Phone 8 combinam com as cores em que Lumia 920 e 820 estarão disponíveis. A seleção de texto, idem. Ahtisaari diz ter que o padrão visual da Nokia foi “separado no nascimento” da linguagem visual Metro, da Microsoft, concebida por Albert Shum, com quem ele embarcou em um processo de design “coevolucionário”.

Apple e Samsung estão vendendo muito; a Nokia, está com a corda no pescoço. Isso não intimida Ahtisaari. Fazendo uma analogia com a indústria automobilística, ele diz que ainda estamos em busca do equivalente nos smartphones ao padrão de rodas, volante e embreagem que, em certo ponto, se estabeleceu entre os carros. Ele acha que o padrão Apple, com ícones e pastinhas, ainda não fincou raízes a ponto de se tornar esse padrão. A Nokia (e a Microsoft, por extensão) colocaram uma nova carta na mesa. Vai colar? Ninguém arrisca dizer. Mas Ahtisaari parece ter o nível exato de confiança, do tipo que não subjuga os concorrentes: “A melhor forma de demonstrar respeito aos seus concorrentes é fazendo algo significativamente melhor.”

O texto completo, bem sensacional, você lê no link ao lado (em inglês). [Wired. Foto: Janne Kalliola/Flickr]