A empresa nega que esteja eliminando o serviço, mas admite que para criar uma nova e atraente loja em 2011, é preciso encerrar alguns ciclos. O serviço surgiu em 2008 para enfrentar o iTunes e sua venda de músicas, e a proposta era agressiva: Universal Music, EMI, Warner e Sony entraram no barco, na esperança de encontrar uma nova solução para o mercado de música na era pós-internet.

O problema que engessou o crescimento da plataforma, segundo a Reuters, vem de três letras: DRM. A presença de proteção nas canções, impedindo transferências, dificultou o crescimento da loja, enquanto o iTunes crescia sem freio. Assim, podemos esperar uma loja sem amarras de software nas músicas nos próximos meses.



Países emergentes, como Índia, Turquia, China e Brasil, continuarão com o serviço, mas em formatos diferentes – por aqui, os aparelhos da linha Comes With Music terão acesso ao conteúdo por 6 meses e quem já conta com o sistema não perderá o acesso. Enquanto isso, a Ovi Music, que a Nokia faz questão de frisar que vende músicas sem DRM, continua funcionando. Agora é esperar para ver o novo movimento dos finlandeses. [Nokia via Reuters via GizmodoUS]