O Ministério da Cultura da Noruega anunciou que o desligamento nacional da frequência FM terá início em 2017, permitindo que o país mude por completo para a rádio digital. Será o fim de uma era.

Por que trocar a tecnologia analógica pela radiodifusão sonora digital (DAB)? Em comunicado, o ministério explica os motivos: ela oferece recepção livre de ruídos, e dará aos ouvintes noruegueses uma maior diversidade de canais de rádio.

É que a rede FM só tem espaço para cinco canais nacionais, enquanto o DAB já oferece 22 canais nacionais e tem espaço para mais vinte. Além disso, os custos na tecnologia digital são oito vezes menores: por isso, as estações vão economizar o equivalente a R$ 70 milhões por ano. O DAB também permite transmitir a mesma mensagem simultaneamente, em situações de emergência, por todas as estações.

Uma pesquisa diz que 56% dos noruegueses ouvem rádio digital todos os dias. De acordo com Thor Gjermund Eriksen, chefe da Norwegian Broadcasting Corporation, empresa pública responsável pela transmissão de TV e rádio da Noruega:

“Este é um dia importante para todo mundo que ama rádio. A decisão do ministro permite concentrar nossos recursos no que é mais importante: criar conteúdo de rádio diverso e de alta qualidade para nossos ouvintes”.

O rádio de frequência modulada, ou FM, foi patenteado em 1933 e vem compartilhando histórias há cerca de um século. Será questão de tempo até que outros países sigam o exemplo da Noruega?

Depende. Outros países na Europa e no sudeste da Ásia também estão no processo de transição para a DAB, só que essa tecnologia ainda não é tão difundida: nos EUA e América Latina, por exemplo, ela não é usada.

Ou seja, o Brasil não se despedirá do FM tão cedo – só dirá adeus à TV analógica. [Regjeringen.no via Radio.no]

Foto por Josh Harper/Flickr