Esta imagem sem precedentes revela um sistema estelar a apenas 300 anos-luz da Terra. Ela foi captada pelo Very Large Telescope (VLT), que é gerenciado pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), localizado no deserto de Atacama, no Chile. Além disso, ela é considerada a primeira imagem direta de múltiplos exoplanetas em órbita em torno de uma estrela semelhante à nossa, de acordo com um comunicado de imprensa do ESO.

“Embora os astrônomos tenham detectado indiretamente milhares de planetas em nossa galáxia, apenas uma pequena fração desses exoplanetas foi capturada em imagem direta”, disse o astrônomo da Universidade Leiden, Matthew Kenworthy, co-autor do novo artigo, publicado no Astrophysical Journal Letters, descrevendo esse sistema planetário, no comunicado à imprensa.

A estrela TYC 8998-760-1 acompanhada por dois exoplanetas gigantesA estrela TYC 8998-760-1 acompanhada por dois exoplanetas gigantes. Imagem: ESO/Bohn et al.

O instrumento Spectro-Polarimetric High-contrast Exoplanet REsearch (SPHERE) do VLT possibilitou essa imagem. Como uma mão que bloqueia o Sol, a SPHERE utilizou um dispositivo chamado coronógrafo para remover a luz indesejada da estrela hospedeira, permitindo que os astrônomos vissem os objetos mais opacos nas proximidades.

Este sistema planetário é bastante jovem. Com uma idade estimada em 17 milhões de anos, a estrela anfitriã, chamada TYC 8998-760-1, é apenas um bebê, comparado ao nosso Sol de meia-idade, que tem cerca de 4,6 bilhões de anos de idade.

Outra característica distintiva deste sistema é que os exoplanetas, ambos gigantes de gás, estão consideravelmente mais longe de sua estrela hospedeira em comparação com nossos gigantes de gás, Júpiter e Saturno. O exoplaneta mais distante está a 320 AU (uma unidade de medida na qual 1 AU é a distância da Terra ao Sol) de sua estrela, enquanto o outro está a 160 AU. Em comparação, Júpiter e Saturno estão a 5 e 10 AU do Sol, respectivamente.

Esses gigantes gasosos também são bastante grandes, mesmo para os padrões gigantescos que estamos acostumados. O exoplaneta mais próximo tem 14 vezes a massa de Júpiter, enquanto o objeto externo tem 6 vezes a massa de Júpiter.

Olhando para o futuro, os astrônomos gostariam de estudar mais a fundo esses planetas e determinar como e onde eles se formaram originalmente. Uma grande questão na astronomia é se grandes planetas como estes se formam perto de suas estrelas hospedeiras e migram constantemente para fora ou se existem alguns outros cenários de migração planetária. Esse sistema é jovem e relativamente próximo, tornando-o um candidato ideal para este tipo de investigação.