O grafeno é um material bem bacana. É a base de vários nanomateriais, e quando se trata da espessura de apenas um átomo, ele é capaz de se esticar eternamente em duas dimensões. E quando há mais de um átomo ele age bem diferente, se transformando em grafite (que você encontra em lápis). Nós já sabíamos um modo de deixá-lo fino, mas não fino o bastante para confiarmos que se trata de apenas um átomo. Até agora.

É aí que entra uma equipe da Universidade de Rice, que descobriu um modo de deixar o grafeno exatamente fino do jeito que eles quiserem. Eles o colocaram numa camada de zinco antes de mergulhá-lo numa banheira de HCl diluído, que elimina o zinco e a camada de grafeno que a toca. Usando o método é possível despir cada camada individual de grafeno por vez, deixando no produto final o quanto eles escolherem, em qualquer formato desejado. Esse novo método pode nos levar a produção massiva mais barata e mais prática de nanomateriais.

Pesquisa publicada na Science, doi:10.1126/science.1199183