Uma nova pesquisa descobriu que o hidrogênio azul, anunciado pelos produtores de combustível fóssil como uma solução climática, na verdade tem uma pegada de gases do efeito estufa 20% maior do que o gás natural.

O estudo, publicado hoje na Energy Science & Engineering, dá um panorama importante sobre um novo combustível muito elogiado, que passou a ser ‘menina de ouro’ da indústria de combustíveis fósseis.

O hidrogênio, o elemento mais comum no universo, é muito promissor para a transição energética: ele pode mover carros, fornecer eletricidade para edifícios e ser usado para ajudar a descarbonizar indústrias difíceis, como manufatura e construção. O problema com o hidrogênio é que ele precisa ser separado dos outros elementos, o que por si só consome muita energia.

O hidrogênio pode ser separado do oxigênio da água por meio da eletrólise para criar o que é conhecido como hidrogênio verde – uma opção livre de quaisquer emissões de gases de efeito estufa, mas muito cara. Ele também pode ser obtido de combustíveis fósseis como carvão e gás, para criar o que é conhecido como hidrogênio cinza. É um pouco mais barato que o hidrogênio verde, mas emite uma grande quantidade de dióxido de carbono (CO2) durante o processo de extração do hidrogênio – o que não faria muito sentido quando se trata de energia limpa.

Diante dos crescentes apelos para descarbonizar,  os produtores de combustível fóssil tiveram a ideia de reembalar a imagem do hidrogênio cinza como de baixo carbono, capturando todas as emissões de carbono que viria com sua criação. Um novo tipo de hidrogênio nasceu: o azul, que é o hidrogênio cinza usando a tecnologia de captura e armazenamento de carbono para se livrar da queima de CO2 e, tecnicamente, passaria a ser um combustível com baixo teor de carbono. A Big Oil viu a oportunidade de usar o hidrogênio azul como parte de seu esforço de relações p

úblicas por um futuro de zero ou quase nenhum carbono.

“Pelo que eu posso dizer, ninguém estava falando sobre o hidrogênio azul até alguns anos atrás”, disse o autor do estudo, Robert Howarth, por e-mail. “O Conselho de Hidrogênio foi estabelecido em 2017 pela BP, Shell e Total, e eles e outros grupos relacionados ao setor começaram a empurrar essa ideia do hidrogênio azul com força. Eles descreveram o hidrogênio azul como emissões baixas ou, às vezes, emissões zero. Mas eles nunca apresentaram dados reais para fazer backup disso”.

Até este artigo, Howarth disse que não havia nenhum esforço revisado por pares para analisar a pegada do hidrogênio azul no efeito estufa- apenas “resumos da indústria” que ele disse “não resistem bem a um exame minucioso”. O metano é um novo grande inimigo na batalha pela mudança climática, afirma o mais novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). 

Infelizmente para a indústria de petróleo e gás, observar de perto o processo de criação do hidrogênio azul revela algumas verdades incômodas. O estudo de Howarth descobriu que o hidrogênio azul tem apenas uma pegada de carbono ligeiramente menor do que o hidrogênio cinza – e, em termos de metano, o quadro é muito pior.

“Enquanto as emissões de CO2 são menores para o hidrogênio azul do que para o cinza, as emissões de metano são maiores”, disse Howarth. “Isso porque mais gás natural é consumido para fazer o hidrogênio azul, já que a energia é necessária para acionar a captura de CO2, e essa energia vem do gás natural.”

“O hidrogênio azul é uma distração perigosa que, se realmente empregada em alta escala, agravaria em vez de ajudar com a mudança climática.”

As emissões de metano só permanecem na atmosfera por pouco mais de uma década, muito menos do que a vida útil de 300 a mil anos do dióxido de carbono – mas são muito fortes enquanto estão lá, já que o metano é cerca de 80 vezes mais potente do que o carbono dióxido.

Os principais culpados pelo metano são as empresas de petróleo e gás, que liberam muito metano no processo de extração do gás natural. O IPCC estima que as empresas de combustíveis fósseis foram responsáveis ​​ por 25% das emissões globais de metano.

As descobertas de metano no relatório do IPCC são especialmente preocupantes quando se considera o que é um processo pesado de gás natural criando hidrogênio a partir de combustível fóssil e armazenando as emissões de CO2.

Na verdade, produzir hidrogênio consome tanta energia que a pegada de gás do efeito estufa do hidrogênio azul, se torna muito maior do que a do gás natural. Em outras palavras, queimar esse suposto combustível “limpo” na verdade é pior, em termos de gases de efeito estufa, do que apenas usar o próprio gás natural. Howarth disse que existem emissões de CO2 e metano associadas a este grande uso de gás.

Há muito entusiasmo em torno das possibilidades do hidrogênio agora, à medida que governos e indústrias ao redor do mundo procuram se descarbonizar. O projeto de infraestrutura aprovado no Senado dos EUA na quarta-feira incluía 8 bilhões de dólares destinados ao desenvolvimento de energia de hidrogênio; Funcionários do Departamento de Energia falaram no passado sobre como o hidrogênio azul pode se encaixar nas metas de energia limpa do governo Biden. 

A indústria do hidrogênio disse em fevereiro que mais de 30 países criaram planos para o desenvolvimento de mais projetos ‘gás limpo’. O Reino Unido está desenvolvendo uma estratégia própria para o hidrogênio, e um funcionário do governo disse ao Guardian que o hidrogênio seria “essencial” para os objetivos climáticos do próprio Reino Unido.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Precisamos nos afastar de todos os combustíveis fósseis o mais rápido possível”, alerta Howarth. “A melhor maneira de fazer isso é com eletricidade 100% renovável de fontes solar, eólica e hídrica, combinada com a eletrificação benéfica para fornecer calor de bombas de calor de alta eficiência e fornecer transporte de veículos elétricos. Os formuladores de políticas devem ser céticos em relação a tais ideias até que sejam completamente examinadas por uma análise completa, feita por cientistas e engenheiros independentes em uma estrutura transparente e revisada por pares.”