Se você não é do time dos cuidadosos, uma boa parte da tecnologia que carrega consigo e com a qual lida pode ser usada contra você. Um app chamado PlaceRaider, por exemplo, pode usar o seu smartphone para criar um mapa 3D completo da sua casa, sem que você suspeite de absolutamente nada.

Desenvolvido por Robert Templeman do Centro de Guerra Naval em Superfície e alguns chapas da Universidade de Indiana, o PlaceRadar se apossa da câmera do seu smartphone e faz uma série de fotografias secretas, gravando o horário, a orientação do celular e a localização de cada foto. Com essas informações, ele é capaz de montar um modelo 3D bastante confiável da sua casa ou escritório e permitir que cyber-intrusos vasculhem-no em busca de informações pessoais como senhas, anotações e extratos bancários deixados na mesa. Praticamente qualquer coisa visualizável pela câmera comprometida pode ser usada posteriormente para o mal.

Talvez tenha lhe ocorrido o questionamento do “por que não um vídeo?” Existem alguns motivos para o não uso. Primeiro, usuários em busca de coisas para furtar acharam ambientes 3D bem mais úteis em testes iniciais do app. Mais importante, porém, é que usar fotos e colá-las depois da transmissão diminui a quantidade de dados que o smartphone precisa capturar para mandar, tornando todo o processo ainda mais furtivo.

Esse malware em forma de app foi desenvolvido no Android por questões práticas — presumivelmente, porque o Android é um sistema um tanto aberto e amigo de hacks e mexidas mais profundas –, mas não há motivos para não achar que algo assim possa aparecer em outras plataformas. É apenas uma questão de criar um jeito de enganar o usuário a instalar um app que na surdina pede pela permissão de controlar a sua câmera, o tempo todo. É uma boa hora para repensarmos a ideia de usar proteções de lentes para câmeras de smartphones. [Technology Review. Imagem by GDubbed/Shutterstock]