Por que se incomodar em ter que aprender HTML5, JavaScript, PHP, CSS e XML quando você pode aprender apenas uma linguagem? É exatamente isso o que um projeto da Universidade Carneige Mellon, financiado pela NSA, pretende fazer.

A linguagem de programação “poliglota” se chamará Wyvern – o nome vem da palavra em inglês para serpe, uma criatura mitológica que lembra um dragão com duas patas, em vez de quatro – e está sendo projetada para unificar a maneira como apps e sites são criados. Os pesquisadores explicam:

“Aplicações para web hoje em dia são escritas como uma mistura coordenada de artefatos escritos em idiomas, formatos de arquivos e tecnologias diferentes. Um exemplo é uma aplicação da web que use código JavaScript no cliente, HTML para estrutura, CSS para apresentação, XML para comunicação estilo AJAX, e uma mistura de Java, arquivos de configuração em texto, e softwares de bancos de dados no servidor. Essa diversidade aumenta os custos para desenvolvedores que aprendem as tecnologias. Também significa que garantir propriedades seguras em todo o sistema é bem difícil.”

É o ponto final, acredito, que interessa mais à NSA. A agência é conhecida por sua espionagem, mas ela também precisa ajudar a manter os sistemas digitais dos EUA seguros. Mas independentemente de tal tecnologia ser ou não usada no futuro, o projeto é bem inteligente.

Os pesquisadores dizem, por exemplo, que o sistema pode perceber automaticamente no que você está trabalhando ao observar os dados com os quais você mexe. Banco de dados? Então provavelmente você está usando SQL! Atualmente o projeto está em um estágio inicial – mas é de código aberto, e você pode conferir como poderá ser o futuro unificado no GitHub. [Wyvern via Motherboard]

Imagem por Michael Himbeault sob licença Creative Commons