Nubank começa a testar seus três primeiros fundos de investimento

As opções têm diferentes perfis de risco e aplicação mínima de R$ 1. Cada um deles é sugerido para um perfil de investidor.

Fachada da entrada do prédio do Nubank em São Paulo. Crédito: Nubank

Fachada da entrada do prédio do Nubank em São Paulo. Crédito: Nubank

O Nubank anunciou nesta terça-feira (20) que vai começar um teste de três fundos de investimento com um grupo pequeno de clientes. As opções têm diferentes perfis de risco e aplicação mínima de R$ 1. Os três fundos se chamam Nu Seleção Cautela, Nu Seleção Equilíbrio e Nu Seleção Potencial. Cada um deles é sugerido para um perfil de investidor, levando em conta o quanto a pessoa já tem investido, em que tipos de produtos ela já investiu e qual a disposição para correr riscos com o dinheiro.

Um fundo é um veículo de investimento que reúne os recursos de vários investidores e deixa a cargo de um gestor a responsabilidade de usá-los para obter lucro. As três opções de fundos divulgadas pelo Nubank investem nos mesmos produtos — títulos de renda fixa pós-fixados, prefixados e atrelados à inflação, ações brasileiras e americanas, ouro e dólar. O que muda de uma para a outra é a proporção desses ativos: o Cautela, por exemplo, tem mais renda fixa, reduzindo riscos e o potencial de lucro, enquanto o Potencial tem mais ações, aumentando o retorno esperado mas trazendo mais variação no valor aplicado.

O Nubank não divulgou qual a proporção de cada investimento em cada fundo. Usando o comparador de fundos Mais Retorno, dá para visualizar melhor a carteira de cada um, com base nos dados dos documentos de março de 2021. Isso não quer dizer que eles vão sempre seguir essa alocação, entretanto.

Com relação a taxas de administração, o Cautela cobra 0,47% do patrimônio; o Equilíbrio, 0,64%; o Potencial, 0,78%. Nos três casos, uma parte é do fundo do Nubank e outra, dos fundos em que eles aplicam. A empresa ainda diz que há custos, que ficam em torno de 0,05% do patrimônio. Não há taxa de performance — esta é uma cobrança que alguns fundos fazem quando o desempenho supera um índice de referência, como a taxa Selic ou o índice Ibovespa.

A estratégia de disponibilizar fundos para diferentes perfis não é inédita. Em 2020, a corretora XP lançou uma linha de fundos chamada DNA, com seis opções para diferentes tipos de cliente. Em dezembro passado, a corretora Guide disponibilizou um produto parecido, chamado Conta Guia.

O banco digital não diz se será possível investir em mais de um fundo ao mesmo tempo — isso seria uma opção interessante para aplicações em objetivos e horizontes diferentes. O Nubank não divulgou prazos de resgate, mas documentos registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dizem que ele é de três dias úteis.

Apesar de serem os primeiros fundos do Nubank, eles não são os primeiros investimentos disponibilizados pelo banco digital. A conta corrente, anteriormente chamada de Nuconta, tem rendimento automático a 100% do CDI (taxa de juros dos empréstimos interbancários, que segue de perto a taxa Selic) desde seu lançamento. Depois, foi lançada a opção de Resgate Programado, em que o dinheiro só volta a ficar disponível para o cliente em uma data futura em troca de um rendimento maior. O Nubank também tem sua própria gestora de investimentos — a Nu Investimentos, responsável pelos três fundos — e sua própria corretora.

Também em 2020, o Nubank comprou a corretora de valores Easynvest. O negócio ainda precisa de aprovação do Banco Central para acontecer. Mesmo assim, as novas opções de investimento não têm relação com a aquisição. “A primeira experiência desenhada pelo Nubank para investimentos reforça o compromisso do banco digital em reinventar este mercado”, diz o comunicado divulgado pelo Nubank. “A proposta da corretora digital [Easynvest] é direcionada a investidores mais experientes, com menor necessidade de auxílio na tomada de decisão.”

Sair da versão mobile