Ontem nós falamos que o próximo filme do Batman provavelmente não será em 3D. Mas isto é exceção ou parte de uma tendência? Se os números da bilheteria indicam alguma coisa, parece que o 3D já está morrendo.

Desde o grande marco de Avatar, que obteve 71% da receita nos EUA com exibições em 3D, os números dos filmes 3D com grande orçamento despencaram paras menos de 50%.

Obviamente Avatar era um caso único, afinal ele era vendido como uma "experiência" 3D, então se você viu em 2D você estava por fora. Mas então, três meses depois, a animação Como Treinar Seu Dragão conseguiu 68% da receita em exibições em 3D, o que é uma queda bem pequena.

Quatro meses se passaram, e você tem Meu Malvado Favorito, outra animação em 3D para crianças, obtendo apenas 45% da receita nos EUA em salas 3D. E se você vir o gráfico do The Wrap abaixo, vai reparar que esta é uma tendência bem clara.

O que isto quer dizer? Quer dizer que agora as que pessoas tiveram a chance de experimentar o 3D nos cinemas, elas preferem pagar R$20 em uma sessão 2D que pagar R$27 numa sessão 3D, se tiverem a opção.

Isto não é boa notícia para os estúdios de Hollywood, que gastaram uma enxurrada de dinheiro em câmeras e tecnologia 3D, mas é uma notícia muito, muito pior para empresas de eletroeletônicos como a Sony e a Panasonic, que estão apostando em uma quantidade enorme de pessoas querendo mudar de HDTVs compradas dois anos atrás para HDTVs 3D. Mas se Hollywood descobrir que fazer filmes em 3D não é tão lucrativo quanto eles pensavam, eles vão parar de fazê-los. E sem esse conteúdo, ninguém terá motivo para comprar uma TV 3D.

Ruim para eles, mas é uma boa notícia para consumidores que estão votando com suas carteiras. Chega de ingressos com preços inflados, e chega de ter que comprar uma TV com uma função que ninguém queria. Isso não é bom? [The Wrap via Roger Ebert]