Este é o valor estimado por um grande executivo de telefonia – que falou à Folha e pediu para não ser identificado – para dobrar o número de antenas e resolver o gargalo da telefonia móvel no Brasil. Só que as operadoras ainda precisam investir em fibra ótica, mas pensam em adiar esses investimentos – tudo, aparentemente, por culpa do 3G.

Nos cálculos do executivo, seriam necessários R$50 bilhões para dobrar o número de antenas. No Brasil, hoje existem só 50.300 antenas. Isso é muito pouco: no Reino Unido, que tem 3% da área do Brasil, há 57.000 antenas instaladas. Se você tem cobertura ruim na sua área, agora já sabe um dos motivos.

Mas não adianta só investir em antenas, se não houver cabos potentes – de fibra ótica – para transmitir os dados. Só que, segundo a reportagem da Folha, as operadoras queriam adiar os investimentos em fibra ótica, porque gastaram muito dinheiro desde 2008 investindo em 3G – e o valor do investimento, aparentemente, ainda não voltou para as operadoras.

Os acessos à internet móvel cresceram 138% em 2010, e devem crescer mais 69% em 2011. Mesmo com tanta gente usando internet 3G hoje em dia, as operadoras não conseguiram recuperar o investimento? Mesmo cobrando caro e impondo uma série de restrições – velocidade, cota de download, até limite de horas?

É o que parece. O problema é que a internet móvel cresceu tanto, com o aumento do poder de consumo, que agora exige… mais investimentos. E as operadoras precisam usar mais dinheiro, desta vez para investir no 4G, que deve entrar em funcionamento antes da Copa de 2014.

O que acontece se a operadora adiciona mais usuários, mas não investe em infraestrutura? Algo como a TIM, que em janeiro foi proibida de ativar novas linhas no Rio Grande do Norte, devido à má qualidade do serviço. Mesmo assim, ela ativou pelo menos 18.700 linhas, e vai ter que pagar R$ 1,87 bilhão de multa. Segundo o UOL Tecnologia, a operadora TIM já pode vender linhas novamente, mas está sendo acompanhada de perto pela Anatel nas regiões Norte e Nordeste, porque vendia mais serviços do que podia oferecer. [Folha e FSP (apenas para assinantes)]

Foto por Danilo./Flickr