RAM. Quanto você precisa? Qual a melhor velocidade? Latências são importantes? Hoje vamos falar sobre tudo o que você precisa saber para colocar a melhor RAM para o seu sistema.

A importância da RAM

Eu mencionei que este será um guia completo sobre tudo que diz respeito à memória RAM? Não? Bem, ele é. Então, vocês espertinhos que já sabem o que ela é e para que serve podem pular estes trechos iniciais.

RAM é uma sigla para Random Access Memory – Memória de Acesso Aleatório –, já que ela atua como uma espécie de buffer entre o disco rígido e a CPU. Não há nada de realmente aleatório nela; a CPU (geralmente) sabe exatamente com quais dados está mexendo. Quando a CPU está processando dados, ela está pegando pequenos pedaços da sua memória de sistema, constantemente pulando de lugar em lugar, lendo, gravando e regravando informações. Discos rígidos funcionam bem quando trabalham com grandes blocos de dados, mas são extremamente lentos para pular de setor em setor ou alternar entre escrita e leitura. Se a sua CPU tivesse que processar dados diretamente no disco rígido, haveria um gargalo incrível.

É por isso que precisamos da RAM. Ter mais memória RAM significa que a frequência com que você terá que aturar o seu computador lendo ou buscando dados no HD extremamente lento será menor. Uma memória mais rápida significa que o CPU vai conseguir pegar o que precisa com maior velocidade. Mas, claro, isso ainda não responde quanta RAM você vai precisar, ou em que circunstâncias uma RAM mais rápida ajuda mais.

 

De quanta memória você precisa?

Não existe isso de ter memória demais. Mas existe casos de se gastar demais com memória. O que você faz com o seu computador é o que determina se vale a pena ou não ter uma quantidade maior de RAM.


O supercomputador Watson, da IBM, tem 16TB de RAM. Chutar cachorro morto?

2GB – O mínimo dos mínimos

Pode não existir memória demais, mas certamente existe memória de menos. E qualquer coisa abaixo de 2GB é certamente muito pouco. De fato, a versão 46 bits do Windows 7 nem se instala em um sistema com menos de 2GB de memória. Mas isso não significa que você não possa parar por aí. As tarefas diárias básicas da computação, como navegar na internet, editar documentos e até mesmo assistir a alguns vídeos em HD podem ser feitas por um sistema com apenas 2GB de RAM – desde que você não tente fazer tudo ao mesmo tempo.


O equilíbrio entre desempenho e preço faz da G.Skill uma marca popular.

Rodar em 2GB tem as suas limitações, porém. Desde o Windows Vista, temos uma ferramenta chamada SuperFetch, que pré-carrega os seus apps mais usados na memória para que eles abram mais rápido quando você precisar. O Windows gosta de manter a metade da sua memória sempre livre, usando a outra metade para o SuperFetch. O problema é que, com 2GB de RAM os recursos essenciais do sistema operacional ocupando cerca de 1GB, quase não sobra espaço para o SuperFetch.

As coisas vão funcionar, mas um pouco mais de RAM daria um salto tão grande no desempenho que, aos preços atuais, pular para 4GB é um investimento super válido. A não ser netbooks, você dificilmente encontrará no mercado atualmente uma máquina que só venha com 2GB.

4GB – Geralmente, o ponto certo

Em se tratando do equilíbrio entre custo e desempenho, 4GB é geralmente perfeito – ao menos por enquanto. Nas tarefas diárias comuns, você muito raramente chegará sequer perto de usar tudo isso. (A não ser que você, como eu, tenha o hábito de deixar dezenas de abas cheias de conteúdo em Flash abertas no Chrome.)


A Crucial é uma marca bastante reconhecida entre os gamers.

Mesmo sistemas avançados para games funcionam bem com 4GB de memória. Também dá para usar um pouquinho de Photoshop ou editores de vídeo, que são pesados. A não ser por usos muito específicos, como edição profissional de imagens em alta resolução ou modelagem em 3D em escala industrial, 4 gigas é o número ideal.

8GB e além

Chegar ao patamar dos 8GB ainda pode ser prático, especialmente quando se está construindo uma máquina nova, na qual o investimento extra poderá fazer pouca diferença. Qualquer melhoria de desempenho ao saltar de 4GB para 8GB não será particularmente perceptível, mas algumas portas são abertas, com certeza.

A não ser que você esteja usando o seu computador de alguma forma muito específica que realmente utilize todos os 8GB da RAM, você pode desabilitar o seu pagefile (paginação de memória) inteiramente. Isso te dará um aumento sutil no desempenho, melhorará a segurança do sistema e forçará menos o disco rígido.


A Kingston está no mercado há muito tempo e tem uma grande variedade.

De uma perspectiva gamer, escolher colocar 8GB de memória tem mais a ver com uma preocupação em estar preparado para o futuro. No entanto, em uma estação de trabalho, 8GB podem muito bem serem necessários para manter as coisas rodando macias.

3, 6 e 12GB

Você pode ter notado a ausência de recomendações de soluções para 3, 6 e 12GB. Isso é porque chegar a 6GB de RAM, por exemplo, exige uma combinação estranha de DIMMs (as placas de memória). Neste exemplo, seriam necessários três DIMMs de 2GB, significando que você não poderia rodá-los na configuração Dual Channel.

Deixar a memória em Dual Channel permite que a CPU acesse ambos os DIMMs simultaneamente, o que em essência transforma um barramento de memória de 64 bits em um de 128 bits. Em games ou tarefas básicas, configurações dual channel ou single channel não fazem grande diferença, mas qualquer operação de uso intensivo de memória, como transcodificação de áudio ou vídeo, é muito mais rápida em dual channel.


A Corsair sempre foi uma de nossas marcas favoritas.

Para habilitar o barramento de memória em dual channel, você precisa ter um número par de DIMMs idênticos, e é por isso que 3, 6 e 12GB não funcionam. Há uma exceção, porém, e ela não é tão comum: a configuração triple channel. Na CPU LGA1366 Core i7, é possível configurar a memória em um barramento triplo usando três DIMMs idênticos. Aí sim, faz sentido pensar em 6GB ou 12GB.

E quanto à velocidade e latência?

Já sabemos de quanta memória você precisa, agora só falta descobrir o quão rápida ela precisa ser. Bem, para ter os melhores resultados, ela deve ser tão rápida quanto a sua placa mãe permitir. Isso é para quem quer o absurdo da performance, como gamers. O consumidor médio não terá tanta necessidade de ter a memória RAM mais rápida do mundo, e essa parada costuma ficar bem cara. Uma DDR3-1600 é um bom meio-termo: é rápida, mas não a ponto de custar muito a mais por isso.

Mas espere! Antes de correr para a loja e deixar todo o seu suado dinheiro no balcão para levar a memória RAM mais rápida que você encontrar, tem mais uma coisa a se considerar: a latência. Os módulos de memória também são avaliados em “timings”, que são geralmente uma sequência de números, como 9-9-9-24. O mais útil destes números é o primeiro, conhecido por Latência CAS. Este é o número de ciclos de clock que a RAM leva para acessar uma coluna de dados (quanto menor, melhor) e, em conjunto com a velocidade da RAM, pode ser usada para calcular o seu tempo de resposta. A fórmula é…

1000 * CAS
———————
(Velocidade da RAM ÷ 2)

Esta conta te dará o tempo de resposta em nanossegundos. Então, por exemplo, um certo módulo de memória DDR3-1866 HyperX da Kingston tem uma latência CAS de 11, enquanto a G.Skill faz um módulo DDR3-1600 com latência de apenas 6. O resultado? A RAM menos rápida da G.Skill responde em apenas 7,5ns, enquanto a HyperX, que tem velocidade muito mais alta descontando a latência, leva 11,7ns. Isso significa que a memória da G.Skill será mais rápida no que diz respeito ao acesso aleatório, mas que a maior velocidade de clock da HyperX proporciona a ela mais largura de banda, o que a torna melhor para operações em lote.

Tipicamente falando, você vai querer escolher a velocidade de clock primeiro, e depois usar a latência CAS das suas diferentes opções como critério de desempate. Tenha em mente que timings mais apertados significam preços maiores. Por exemplo, a diferença entre uma CAS de 7 contra uma de 8 é quase negligenciável.

Compatibilidade de sistema

No que diz respeito a RAM, há muitas questões sobre compatibilidade. Há também algumas sutilezas que podem passar despercebidas e levar a problemas de compatibilidade. Estas são algumas das perguntas e erros mais comuns.

DDR, DDR2 e DDR3: Importa?

SIM! O design dos DIMMs é diferente nos três padrões. Uma memória DDR é tão incompatível com um sistema DDR2 que o DIMM nem mesmo se encaixa no soquete. Tentar forçá-lo pode até quebrar a sua placa-mãe. Felizmente, plataformas DDR e DDR2 estão praticamente extintas. Se você tem um computador moderno, provavelmente ele é DD3. Mas confira.

O que é um SO-DIMM?

Um SO-DIMM é uma versão miniaturizada de um DIMM normal, geralmente usada em laptops e outros sistemas mais discretos. Assim como os DIMMs de tamanho normal, é importante não misturar módulos DDR, DDR2 e DDR3.

Uma memória DDR3-2000 funciona em uma placa-mãe DDR-1600?

Mais ou menos. Os módulos de memória têm uma tabela interna de configuração de velocidade e timing, então, quando você instala um módulo que é mais rápido que a sua placa-mãe, o que acontece é que a memória vai ser rodada na velocidade máxima da placa-mãe. Por exemplo, se você colocar uma DDR3-2000 em uma placa-mãe DDR3-1600, ela funcionará em 1600MHz em vez de 2000MHz. A compatibilidade também não é garantida, e é tipicamente melhor tentar deixar tudo na mesma capacidade.

Porém, o truque pode ser útil para overclocking. Já que as velocidades de clock de memória são tiradas da FSB da CPU, usar uma memória mais rápida pode resultar em um overclock mais estável.

Não ignore a voltagem

Voltagens de memória são muito importantes no que diz respeito a compatibilidade. O padrão para DDR3 é 1,5V, mas muitos DIMMs voltados para desempenho requerem voltagens maiores para chegar a clocks maiores e latências menores. Isso pode causar problemas porque nem todas as placas-mãe conseguem reconhecer a voltagem correta para estas memórias e vão suprir o 1,5V padrão. Se isso não for o suficiente para manter a memória estável, o seu sistema não vai nem se incializar o suficiente para que você chegue até a BIOS e aumente manualmente a voltagem. Certifique-se de saber as capacidades da sua placa-mãe antes de comprar RAM com necessidades especiais de voltagem.

Limitações de sistema operacional

Sistemas operacionais de 32 bits têm uma séria limitação: eles só conseguem lidar com 4GB de memória. Você pode pensar que está tudo bem, já que 4GB é atualmente a quantidade ideal de RAM na maioria dos casos, mas a limitação é de memória total, não apenas de RAM. Alguns pedaços aqui e ali estão reservados para periféricos PCI e ACPI, e a memória de vídeo também está incluída nesta soma. Com placas de vídeo modernas chegando a até 2GB de memória de vídeo, pode acontecer de você ter 4GB de RAM instalados no seu sistema, mas com menos 2GB em uso real. Moral da história: use uma versão 64 bits do seu sistema operacional.

 

O Maximum PC traz a você as últimas notícias, reviews e tutoriais sobre PC.