Olha, para ser sincero, não se trata exatamente de um par de alianças. Mas… os anéis entrelaçados são ridiculamente pequenos. Esses dois anéis circulares de DNA, medindo 18 nanômetros, foram criados por um cara que se casou enquanto estava fazendo o experimento (por isso o nome, sacou?).

Os homens por trás dos anéis, o professor Alexander Heckel e seu aluno de doutorado Throsten Schmidt (o que se casou), acreditam que eles podem ser úteis para nano-máquinas e motores moleculares:

Da perspectiva científica, a estrutura é um marco no campo da nanotecnologia com DNA, já que os dois anéis, diferente da maioria das nanoarquiteturas de DNA já feitas, não fixam formações, e sim — dependendo das condições do ambiente — são completamente móveis.

Independente do uso verdadeiro, foi uma grande sacada de Schmidt associar sua descoberta com seu casamento, para soar romântico e ainda ganhar moral na comunidade científica. Dois coelhos com uma cajadada só. [EurekAlert via MSNBC Cosmic Log]