De ligações gratuitas a liberação de canais de notícias, várias empresas de tecnologia e telecomunicações estão buscando alternativas para para ajudar, não apenas com dinheiro, o Japão, que passa por sua maior crise desde a Segunda Guerra Mundial em razão do quinto maior terremoto já registrado. Confira algumas da soluções encontradas.

Logo que o terremoto seguido de tsunami atingiu o nordeste do Japão, o pânico se instaurou por vários motivos óbvios. Mas entre eles estava a queda dos sinais de telefone. Milhares de japoneses não conseguiam ligar para seus parentes. A solução, em vários casos, foi a internet. É o que mostra o relato emocionado de um funcionário de uma Apple Store japonesa, enviado à Kevin Rose:

Sabe aquela cena em filmes de desastre, em que todas as pessoas se juntam ao redor das vitrines de lojas de televisão para ficar informados e saber o que está realmente acontecendo? Na era digital, foi isso que aconteceu com as lojas da Apple em Tóquio. Os funcionários providenciaram estabilizadores e cabos de extensão com 10 adaptadores para aparelhos com iOS, para que as pessoas pudessem recarregar seus celulares e tablets e contatar seus parentes. Mesmo após fecharmos a loja às 22h, uma multidão de pessoas ficou na porta de nossa loja para usar a rede wifi  aberta de noite, já que essa era uma das únicas formas de acessar o mundo.

Com as redes de telefonia restabelecidas, começaram os avisos de diversas operadoras. Nos EUA, tanto Verizon quanto AT&T tornaram gratuitas todas as ligações e SMS para o Japão, para aqueles que buscam informações de parentes. Aqui no Brasil, a Telefônica reduziu o custo das ligações de R$2 por minuto para 10 centavos, enquanto a TIM liberou as ligações gratuitas para o país. Já o Skype abriu o acesso de todos os seus hotsposts Wi-Fi no Japão e está oferecendo um voucher de 80 ienes, ou cerca de 25 minutos de ligações para uma linha fixa japonesa.

***

A Sony fez uma doação interessante e importante: além de oferecer U$4 milhões, a empresa doou 30 mil rádios de emergência ICF-B02. O gadget é capaz de transmitir informações por 40 horas apenas com duas pilhas tamanho palito, é resistente e conta com carregador manual à manivela — há, inclusive, um apito na correia, para casos de extrema emergência. Já a Panasonic doará, além de dinheiro, 4 mil lanternas de LED movidas a luz solar, 10 mil rádios e 50 mil baterias.

***

A solução das operadoras de TV paga foi oferecer informação de forma gratuita. Por tempo indeterminado, a Net liberou o sinal dos canais NHK (147) e CNN International (153). No canal 111 da Sky, a NHK World também foi liberada, mas a operadora afirmou que o canal só ficará aberto até as 18 horas de hoje. Já na TVA, o canal público japonês ficará aberto até dia 31 de março.

***

Além de doar U$2 milhões para o país, a Microsoft anunciou que o Microsoft Exchange online estará disponível de forma gratuita por 90 dias para os usuários comerciais que estão com problemas de comunicação. O Deal Extreme, famoso por seus gadgets baratos, está vendendo um produto fantasma de 5 dólares, que na verdade é uma forma de doar algo para os japoneses. A Zynga, dona do FarmVille e de outros jogos de Facebook, informou que seus jogos terão sistemas para doações aos japoneses em forma de moedas e bônus — e prometem, dessa vez, 100% do valor revertido ao Japão.

***

Entre as milhares de doações, ainda merecem destaque a NEC, que fornecerá computadores, equipamentos de telecomunicações, e equipamentos de rede de TI com valor equivalente a U$100 milhões. Durante o fim de semana, todos os jogos da PopCap para iPhone e iPad — entre eles Plant vs Zombies e Bejeweled — terão descontos. O valor arrecadado será doado ao Japão. E além de doar U$7,3 milhões, a Coca-Cola anunciou que algumas de suas máquinas em território japonês estão oferecendo de forma gratuita as bebidas da empresa.

[foto por: Kyodo News/AP. Ilustração por selene231/DevianArt]