Você está sabendo do que está prestes a acontecer, né? Bom, prepare-se para carregar seu iPhone, esvaziar sua carteira e renovar sua conta de desenvolvedor, porque a conferência para desenvolvedores da Apple, a WWDC, está logo aí. Neste ano, a WWDC 2018 vai desta segunda-feira (4) até a sexta-feira (8), no McEnery Convention Center em San José, na Califórnia. A apresentação começa às 14h no horário de Brasília, nesta segunda-feira.

Esperamos ver alguns updates notáveis — mas não inovadores — às plataformas de software da Apple, como iOS e macOS, assim como um notebook mais acessível, se tivermos sorte. Por enquanto, vamos dar uma olhada no que achamos que a Apple pode apresentar em sua conferência anual (e o que provavelmente não aparecerá).

Um iOS livre de distrações?

A tela do iPhone X é muito suave aos olhos, e pode ser por isso que é tão difícil deixá-lo de lado. A Apple, em uma decisão parecida com o anúncio do Google em sua própria conferência, o I/O, estaria prestes a anunciar, segundo rumor da Bloomberg, um novo recurso chamado Digital Health (“Saúde Digital”), que daria aos usuários informações sobre os hábitos do smartphone, mostrando-lhes em que aplicativos eles mais passam tempo em seu dispositivo iOS. O recurso “Digital Wellbeing”, ou “Bem-estar Digital”, do Google, que chegará ao Android P, dá aos usuários informações detalhadas sobre os apps em que eles mais passam tempo, garantindo controle sobre quanto tempo se é permitido passar em um aplicativo específico. Se a Apple conseguir igualar o Google nesta área, já podemos considerar isso um sucesso.

O recurso não parece particularmente complicado, então não existe razão para acreditar que a Apple não vá incluir alguma forma de software de administração de tempo gasto no celular em sua próxima versão do iOS. Isso daria à Apple boa publicidade, exigiria menos tempo para se implementar do que uma repaginação na interface de usuário e também permitiria à empresa bater de frente com o Google em termos de saúde e bem-estar, onde a Apple normalmente lidera.

Vai acontecer?

Definitivamente. Seria uma vitória fácil para a Apple e, certamente, atrairia usuários buscando usar menos seus celulares e os faria passar mais tempo no caro Apple Watch em seus pulsos.

Novos mostradores seriam úteis ao Apple Watch. Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Novos mostradores para o Apple Watch?

Talvez você ame seu Apple Watch, mas os mostradores de relógio disponíveis atualmente deixam muito a desejar. O 9to5Mac informou sobre um código encontrado no watchOS 4.3.1, contendo a mensagem de log “É aqui que a geração do pacote de configuração de mostradores de terceiros aconteceria”. Embora “terceiros” possa apenas significar um mostrador feito em colaboração com a Nike ou a Hermès, estou ansioso pela possibilidade de que desenvolvedores possam tornar a minha experiência no Apple Watch um pouco diferente.

Vai acontecer?

Talvez. Códigos frequentemente dão indícios de recursos futuros, mas um único e ambíguo comentário de código não é o bastante para apostarmos se vamos ver ou não novos mostradores no Apple Watch.

Apps multiplataformas?

Detalhes especulados sobre a próxima versão do macOS têm sido esparsos, mas um recurso, os apps multiplataformas de iOS e macOS, parece ser a maior mudança chegando ao sistema operacional de desktop. Informações conflitantes do Daring Fireball e da Bloomberg sugerem que, embora a Apple esteja, de fato, trabalhando em uma estrutura que facilite o compartilhamento de uma interface de usuário entre apps e que funcionaria tanto em dispositivos iOS e macOS, isso pode não ser tão inovador quanto parece, mas que pode ser apenas o começo de uma mudança maior para borrar as linhas que dividem apps de iOS e macOS. Isso também poderia estar ligado ao suposto dispositivo macOS com arquitetura ARM da Apple. Porém, isso pode estar muito distante de se concretizar, considerando o foco da Apple em consertar o que já existe em vez de se concentrar em recursos.

Vai acontecer?

Definitivamente. Apps multiplataformas codificados em HTML, Javascript e CSS já existem, então não seria um salto tão grande para a Apple considerar mexer em sua estrutura para permitir que apps funcionem em dispositivos parecidos com tamanhos de tela diversos.

Dois iPads, que a Apple está apresentando como uma alternativa de baixo custo a um notebook. Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Um MacBook barato com arquitetura ARM?

Não tem como errar se você for trazer um novo MacBook de baixo custo, mas adotar uma nova arquitetura de processador em seus notebooks dará ou muito certo ou muito errado. A empresa já trocou arquiteturas de processador com sucesso no passado, indo dos processadores PowerPC, criados pela AIM Alliance, para processadores da Intel em seus computadores de mesa e notebooks. Uma outra mudança poderia ser bastante disruptiva, podendo efetivamente significar o fim de uma era para computadores Hackintosh, mas as compensações em termos de desempenho, gerenciamento de energia e integração mais fácil com apps de iOS poderiam fazer valer a pena.

Infelizmente, embora um iPad de preço acessível com suporte a Apple Pencil tenha sido apresentado neste ano, especulam que o tão esperado MacBook Air de baixo custo será mais uma vez adiado, devido a problemas com processadores.

Vai acontecer?

Improvável. Com os rumores focando principalmente no adiamento de um MacBook “barato”, além do foco da Apple em reparos, pode ser mais provável que isso aconteça durante o ano, em vez de nos próximos dias.

Alguns MacBooks atualizados?

Mark Gurman, da Bloomberg, acredita que a WWDC 2018 será leve em termos de hardware, mas que, ainda assim, ela pode incluir algumas leves atualizações à linha de notebooks MacBook, da Apple.

A empresa definitivamente está trabalhando em updates à sua linha de MacBook Pro e MacBook de 12 polegadas com alguns processadores Intel da geração atual. Se eles já vão aparecer na WWDC em vez de serem guardados para depois, ainda não sabemos. Embora a Bloomberg acredite que eles não serão apresentados, os notebooks foram atualizados na WWDC 2017.

Vai acontecer?

Talvez. Os MacBooks estão envelhecendo, uma atualização no processador (junto com alguns ajustes de teclado) poderia ajudar a lidar com as transigências inerentes aos notebooks da Apple.

O primeiro iPad Pro. Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Um iPad Pro renovado?

Claro, o iPad mais barato que a Apple já fez saiu há alguns meses, mas ainda podemos ver um novo iPad de ponta na WWDC. O que você deve esperar? Não muito, de acordo com o analista da KGI Securities Ming-Chi Kuo, embora o novo iPad Pro possa trazer suporte ao Face ID, graças a uma câmera TrueDepth. O último anúncio de iPad Pro aconteceu em um mês de junho, então talvez agora seja a hora perfeita para lançar, ou pelo menos anunciar, um novo tablet para manter o interesse dos consumidores.

Vai acontecer?

Talvez. A Apple anunciou um novo iPad Pro no ano passado, e um novo tablet ajudaria os consumidores a escolherem um iPad da geração atual a um custo satisfatório.

Um iOS 12 redesenhado?

O iOS 12 definitivamente se beneficiaria de uma nova “camada de tinta”, especialmente considerando que o Google segue refinando e aprimorando seu próprio sistema operacional, o Android, a uma velocidade bem rápida. O iOS 12 poderia ter uma integração maior com apps de macOS, mas um redesign talvez esteja fora de questão por enquanto. O que você pode esperar são um controle dos pais melhorado e mais recursos de realidade aumentada, de acordo com a Bloomberg.

Ainda assim, todos os indícios apontam para um “não”, já que a companhia aparentemente deixou para depois suas maiores mudanças de design, optando por focar na correção de problemas e em melhorias, depois de sofrer com um ano duro em termos de recursos e softwares defeituosos e falhas de segurança. Fazer de 2018 um ano de reconstrução depois de lidar com problema atrás de problema em 2017, que afetaram tanto dispositivos iOS quanto macOS, pode ser a melhor jogada da Apple desde que ela lançou o Snow Leopard, em 2009.

Vai acontecer?

Improvável. A Apple já tem muito com que lidar em termos de melhorias em sua versão atual do iOS.

O iPhone 8 na cor vermelha. Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Um novo iPhone SE?

O pequeno e “barato” iPhone SE, da Apple, pode ganhar uma sequência na forma do iPhone SE 2. Vimos evidências de que a Apple estava pelo menos pensando sobre o smartphone de baixo custo, chamado de iPhone SE (2018). Uma reportagem do BGR também sugere que o novo SE poderia trazer recarga sem fio e vir sem uma entrada para fones de ouvido. Ninguém tem certeza de quando o iPhone SE 2 estará disponível, mas o consenso parece ser “em 2018”. A Apple também registrou recentemente 11 novos iPhones, significando que podemos ver uma nova variedade de dispositivos iOS de baixo custo para combinar com o amor da Apple por hardwares de alta qualidade.

Vai acontecer?

Talvez. Existem provas suficientes para dar suporte à apresentação de um iPhone SE2, embora fosse ser um pouco “fora de lugar”, considerando o fato de que se trata de um iPhone de baixo custo.

Spotify no Apple Watch?

Uma nova versão do WatchOS muito provavelmente fará sua aparição — e deve trazer consigo alguns recursos adicionais, tornando mais tolerável o abandono temporário de seu iPhone quando você sair para uma corridinha. A suposta API StreamKit permitiria aos usuários com Apple Watches equipados com LTE fazer streaming de mídia (como música) ao dispositivo, cortando o intermediário que é seu telefone.

Um novo app oficial do Spotify para WatchOS pode roubar a cena, no entanto. Embora Apple e Spotify sejam, de fato, concorrentes no mercado do streaming de músicas, o Spotify está em desvantagem quando se trata de se integrar com produtos Apple, já que não tem um app apropriado para Apple Watch. Atualmente, você pode usar seu Apple Watch para controlar opções básicas de reprodução do Spotify em seu smartphone, mas é só isso.

A API StreamKit dá ao Spotify uma abertura, mas o app pode não ser capaz de aproveitá-la. A Samsung pagou muito dinheiro para tornar o Spotify exclusivo em seus wearables — razão pela qual você não o vê no Fitbit também. Portanto, a menos que algo tenha mudado recentemente, o Spotify provavelmente não se juntará a outros serviços que transmitem mídia diretamente ao relógio.

Vai acontecer?

É improvável. A rejeição da Apple ao aplicativo Steam Link, da Valve, junto com o acordo de exclusividade do Spotify com a Samsung, pode nos forçar a esperar mais um ano por um app nativo de Spotify para Apple Watch.

Imagem do topo: Alex Cranz (Gizmodo)