O primeiro voo pra valer da SpaceX estava agendado para o último sábado. Ele foi abortado faltando meio segundo para ter início devido a problemas em um dos nove motores Merlin. Mas afinal, o que aconteceu exatamente?

Logo depois do cancelamento, os engenheiros da SpaceX começaram a analisar o que teria motivado a pressão acima do normal no motor 5 da Falcon 9, anomalia que fez com que o computador de voo interrompesse o lançamento na última hora — ou melhor, no último meio segundo. Ao fim das investigações, eles descobriram que uma válvula responsável por controlar o fluxo de nitrogênio que limpa a câmara de combustão do motor falhou.

Com a falha, o oxigênio líquido usado para compensar a falta do oxigênio do ar na combustão do motor acabou entrando no injetor de combustível, elevando a pressão da câmara. Um detalhe que poderia colocar toda a missão em risco e ter consequências catastróficas.

Pelo Twitter, Elon Musk, fundador da SpaceX, disse que simulações indicaram que ainda que o lançamento tivesse ocorrido, esse problema não afetaria o curso da missão. Mesmo assim, melhor não arriscar; há (literalmente) bilhões em jogo.

A próxima tentativa de lançar a Falcon 9 será amanhã. A nave levará mantimentos e alguns projetos de estudantes para a Estação Espacial Internacional. Se tudo der certo, ela deve ancorar na ISS na quinta-feira, deixar as encomendas, recolher 680 kg de carga da própria Estação e cair no meio do Pacífico no dia 31 de maio.

Para ler mais detalhes sobre o funcionamento de um motor Merlin, o tipo que equipa a Falcon 9 da SpaceX, siga o link ao lado (em inglês). [Wired]