A gaveta de remédios tem tudo que você pode imaginar, de analgésicos e pílulas anticoncepcionais a antibióticos e curativos. E se a sua for como a minha, também está cheia de toneladas de coisas inúteis – como cremes misteriosos, prescrições vencidas e um número perturbador de comprimidos que você não faz ideia para que servem.

Sem dúvida, os armários ou gavetas de remédios podem ser agitados e caóticos, o que só faz sentido dada a complexidade da saúde humana e os vários métodos usados ​​para tratar doenças, ferimentos e outros problemas de saúde. Enquanto olhamos para o futuro próximo, no entanto, parece que nossos armários de remédios estão passando por uma revisão significativa. Na verdade, avanços constantes na tecnologia médica estão prestes a revolucionar as terapias e a maneira como nos cuidamos.

Na década de 2030, os medicamentos em nossas gavetas deverão ser consideravelmente mais personalizadas do que são hoje. Este desenvolvimento, diz Olivier Elemento, professor de fisiologia e biofísica da Weill Cornell Medicine, será impulsionado por custos drasticamente reduzidos associados ao sequenciamento do genoma e uma melhor compreensão da interação entre medicamentos e genomas. Como Elemento também destacou, mais opções de tratamento estarão disponíveis no futuro, já que novos medicamentos estão sendo aprovados em um ritmo acelerado.

“Portanto, imagino que os armários de remédios de todos serão bem diferentes uns dos outros”, explicou ele por e-mail. Os tipos de medicamentos prescritos, as combinações e as dosagens “serão muito mais personalizadas do que são agora”, disse Elemento, e serão “baseadas em seus genes”.

Ruben Morones-Ramirez, cientista-chefe do Grupo de Pesquisa em Nanobiotecnologia da Universidad Autónoma de Nuevo León, no México, concordou que os futuros medicamentos serão projetados individualmente, dizendo que isso será feito para garantir a “compatibilidade medicinal para cada ser humano”, ele prevê. Além do mais, nossa futura capacidade de sequenciamento de genes nos permitirá projetar novos recursos terapêuticos, como antimicrobianos e antivirais, contra patógenos infecciosos.

“O desenvolvimento de remédios contra doenças virais e bacterianas será projetado e produzido de forma barata e rápida”, disse ele em um e-mail. “Em caso de infecção, os pacientes poderão fazer um teste, sequenciar os prováveis ​​patógenos causadores da infecção e a terapêutica adequada será projetada, produzida e entregue em sua porta”, disse Morones-Ramirez.

A medicina personalizada dessa natureza provavelmente será cara e não estará disponível para todos, principalmente nos Estados Unidos, onde a saúde universal ainda não existe. A gaveta de remédios da década de 2030, é justo dizer, não aparecerá de repente em todos lugares. Mas, felizmente, esses e outros remédios se tornarão lentamente acessíveis a todas as pessoas e, com os dedos cruzados, se tornarão mais baratos com o tempo.

Uma adição surpreendente à gaveta de remédios da década de 2030 são os insetos, ou mais precisamente, os microrganismos vivos. Na verdade, nossos microbiomas – toda a coleção de micróbios que habitam nossos corpos – são conhecidos por desempenhar papéis importantes na saúde e na doença, como Peter Q. Nguyen, um cientista pesquisador e biólogo molecular do Wyss Institute da Harvard University, explicou em um e-mail. “Este é o conceito por trás da ingestão ou colonização de micróbios benéficos ou probióticos”, escreveu ele. “Mas e se pudéssemos projetar esses micróbios para gerar moléculas terapêuticas dentro de nós?”

Nguyen prevê um grupo de bactérias modificadas que funcionam como fábricas programáveis, produzindo os medicamentos necessários sob demanda diretamente dentro de nossos corpos.

“Não precisaríamos mais produzir um medicamento em uma fábrica centralizada, purificá-lo, embalá-lo, despachá-lo, armazená-lo e levá-lo várias vezes ao dia”, disse ele. “Em vez disso, essas fábricas microbianas projetadas irão colonizar seu intestino e gerarão continuamente sua terapia de escolha dentro de você por dias, semanas ou meses.”

No caso de não precisarmos ou desejarmos mais essas fábricas de drogas internas, tudo o que teremos que fazer é beber uma solução especial contendo uma substância química inofensiva que ativa um circuito genético projetado, resultando na eliminação dos micróbios de nossos corpos, disse Nguyen. 

Circuitos genéticos para bactérias probióticas em animais já foram desenvolvidos, mas “um sistema robusto para controlar com precisão a colonização de probióticos projetados em humanos ainda não foi demonstrado”, acrescentou.

Da mesma forma, Morones-Ramirez acredita que a maioria de nossos remédios futuros estarão vivos.

“A terapia viva é composta por uma célula viva ou microrganismo que será incorporado a um material sintético para entrega”, explicou ele, “mas a parte viva da terapia é a parte que permitirá o comportamento dinâmico de detecção, diagnóstico e produção” de terapias ou intervenções dentro do corpo e “no local da doença”, explicou. Morones-Ramirez disse que esse tratamento poderia eventualmente ser usado para o câncer e várias doenças infecciosas. 

Ele ainda disse que é muito importante, “já que os medicamentos no futuro próximo serão feitos de células vivas geneticamente modificadas, microrganismos, ou vírus, o que tornará as terapias muito mais inteligentes”.

Em geral, Morones-Ramirez acredita que nossos medicamentos irão melhorar continuamente com o tempo. Eventualmente, algumas terapias super sofisticadas exigirão o uso de robôs em nanoescala com múltiplas funcionalidades para curar diferentes doenças, ele acredita. As terapias futuras serão “projetadas para monitorar, detectar e sinalizar funções biológicas anormais”, explicou. Trabalhando dentro de nós, essas intervenções possíveis serão “programadas para produzir e fornecer uma terapia específica após a detecção de funções anormais em nossos corpos.”

Devemos também esperar para ver medicamentos que visam o envelhecimento biológico. Matt Kaeberlein, patologista da Universidade de Washington e especialista em biologia do envelhecimento, espera ver esses tipos de medicamentos amplamente utilizados na década de 2030.

“Esses medicamentos do século 21 funcionarão para manter as pessoas saudáveis ​​por mais tempo, desacelerando ou revertendo os declínios funcionais do envelhecimento, visando os mecanismos moleculares do envelhecimento biológico”, disse Kaeberlein por e-mail. “Isso contrasta com o que considero medicina do século 20 – ou mesmo medicina do século 19 – que é o que a maioria das pessoas tem agora, que age para tentar ‘curar’ doenças em pessoas doentes ou, mais frequentemente, apenas aliviar os sintomas.” A mudança para os medicamentos para prevenir as doenças, em oposição ao tratamento das doenças, é um desenvolvimento que Elemento também prevê.

Graças ao advento de grandes bancos de dados de saúde, como o programa de pesquisa All of Us e o UK Biobank, os cientistas estão cada vez melhores em descobrir quais “medicamentos e suplementos existentes podem diminuir os riscos de desenvolver doenças”, explicou Elemento, acrescentando que, o que é crucial,  é que os cientistas estão “começando a entender que a eficácia de tais medicamentos para a prevenção de doenças também depende de seus genes”.

Durante décadas, vários medicamentos e combinações de medicamentos foram usados ​​para tratar uma série de distúrbios psicológicos. Mark Elliott, psiquiatra e especialista no manejo de psicofármacos, não é tão otimista quando se trata do futuro dos medicamentos prescritos para o cérebro, dizendo que as abordagens atuais provavelmente não mudarão muito nas próximas duas décadas.

“Já se passaram mais de 30 anos desde que uma classe significativamente nova de fármaco para a saúde mental foi descoberta”, explicou ele em um e-mail, apontando para o desenvolvimento de Inibidor seletivo de recaptação de serotonina, como o Prozac, no final dos anos 1980. As inovações desde aquela época são “essencialmente pequenas modificações de produtos químicos pré-existentes”, disse ele.

A “farmacopeia” não mudou muito nos últimos 30 anos, mas os cientistas começaram a mudar sua atenção para – e também sua aprovação de – diferentes classes de produtos químicos. Por exemplo, compostos canabinóides, cloridrato de cetamina e psilocibina, entre outros psicodélicos, como Elliot explicou. Consequentemente, a gaveta de remédios da década de 2030 continuará a transportar itens como maconha, mas também drogas que normalmente não são encontradas em nossos banheiros.

“Imagino que haverá uma mudança contínua em direção à utilização, reaproveitamento e modificação de produtos químicos mais antigos, produtos químicos à base de plantas e produtos químicos historicamente ilícitos para uso medicinal, alguns dos quais podem chegar aos nossos armários de remédios”, disse Elliot.

Tratamentos aparentemente mais radicais, como o uso de ecstasy para tratar transtorno de estresse pós-traumático, podem eventualmente ser usados, embora não esteja claro se isso acontecerá em breve ou se tais intervenções podem chegar às nossas gavetas de remédios, como Elliot me disse durante uma chamada de vídeo. É importante ressaltar que as empresas farmacêuticas estão investindo muito nessa pesquisa, principalmente no uso de psicodélicos, e a acessibilidade dessas intervenções não deve ser assumida. Também não sabemos quando esses produtos estarão disponíveis.

Outro ponto que é importante ressaltar, é que os armários de remédios não contêm apenas medicamentos – eles também contêm coisas como curativos. Então, como será uma fita-micropore daqui a 15 anos? Se uma pesquisa recente da ETH Zurich e da Universidade Nacional de Cingapura der certo, poderíamos ver um curativo que ajuda o sangue a coagular sem grudar na ferida. Nos testes, isso foi possível devido a um novo material que desencadeia a coagulação do sangue e, ao mesmo tempo, repele o próprio sangue.

Equipados com esse novo material fantástico, “podemos evitar a reabertura da ferida ao trocar o curativo”, explicou Athanasios Milionis, coautor do estudo, em comunicado de 2020. “Reabrir feridas é um grande problema, principalmente por causa do risco de infecção, inclusive de germes hospitalares perigosos – um risco que é especialmente alto durante a troca de curativos.”

Outras possibilidades para a década de 2030 incluem curativos que injetam medicamentos no corpo (sem deixar cicatrizes), curativos que unem a pele para uma cicatrização rápida e curativos eletrônicos que também aceleram a cicatrização de feridas.

Quando se trata de cicatrização de feridas na década de 2030, Michelle Oyen, engenheira biomédica da East Carolina University, prevê que não precisaremos de curativos ou mesmo de tiras de hidrogel modernas. Em vez disso, usaremos “curativos de engenharia de tecido que reparam a pele em vez de apenas cobri-la”, como ela explicou em um e-mail. Essas fitas seriam compostas de células da pele cultivadas em laboratório e colocadas sobre a lesão. A pele com engenharia de tecidos, além de tratar feridas, também pode ser usada para tratar doenças como vitiligo, melanoma, psoríase e distúrbios com bolhas. Também devemos esperar que nossas gavetas de remédios sejam mais futurísticas.

Elemento disse que o gabinete de 2030 será mais inteligente, monitorando nossa ingestão de remédios, enviando mensagens de texto quando nos esquecemos de tomar nossos comprimidos e garantindo automaticamente que nossas recargas sejam enviadas para nós quando acabarmos. Ele também prevê pílulas eletrônicas inteligentes que, uma vez ingeridas, inspecionam nosso estômago e cólon em busca de sinais precoces de doenças, incluindo câncer e distúrbios autoimunes.

Pílulas inteligentes – cápsulas ingeríveis equipadas com microeletrônicos – parecem ser uma tendência crescente; espera- se que o mercado global de pílulas inteligentes, incluindo ferramentas e tecnologias de suporte, alcance  6,34 bilhões de dólares até 2026. Essas pílulas funcionam registrando biomarcadores importantes relacionados à saúde e, em seguida, transmitindo essas informações a um dispositivo usado pelo paciente. Além de diagnosticar doenças, as pílulas inteligentes podem ser usadas para administração de medicamentos direcionada, monitoramento de pacientes e adesão ao medicamento.

Quando se trata de entrega de medicamentos, Oyen diz que não teremos que nos preocupar com caixas ou frascos de comprimidos, pois os medicamentos serão entregues por tecnologia de liberação controlada.

“Você pode ter uma cápsula de medicamento para reabastecer seu dispositivo a cada uma ou duas semanas, como as bombas de insulina modernas, mas especialmente para medicamentos que historicamente deveriam ser tomados diariamente – como pílulas anticoncepcionais, colesterol ou remédios para pressão arterial e assim por diante. Segundo ela, esta é uma virada de jogo que virá em breve.

Da mesma forma, Elemento espera ver menos comprimidos em nosso futuro. Vamos “avançar cada vez mais para pílulas impressas em 3D”, disse ele, nas quais “uma única pílula pode incluir muitos medicamentos”, em um desenvolvimento que ele diz que provavelmente aumentará a adesão à medicação. Além disso, Elemento espera ver a gaveta de remédios, por assim dizer, ampliado para incluir estratégias de saúde que não dependem de drogas.

“Espero que tenhamos descoberto maneiras melhores de personalizar dietas e programas de atividade física para melhorar a adesão e o envolvimento, tornando mais fácil incluí-los em nossa rotina diária”, disse ele. Inovações médicas empolgantes como essas deveriam ser disponibilizadas a todos, mas muitas deficiências gritantes existem atualmente na área da saúde, afetando desproporcionalmente as populações já marginalizadas. 

Assine a newsletter do Gizmodo

Melhorias drásticas são extremamente necessárias nos vários sistemas de saúde do mundo. Esperamos que essas muitas especulações fantásticas se tornem tão comuns quanto um frasco de aspirina na próxima década.