As granadas de gás lacrimogêneo usadas para conter protestos no Egito na verdade são fabricadas nos EUA. Elas servem para causar “lacrimejamento nos olhos” e “irritação do trato respiratório e membranas mucosas”. O que tem dentro dessas bombas?

O site Ars Technica deu uma olhada em algumas bombas de gás lacrimogêneo, que são fabricadas pela empresa americana Combined Tactical Systems em Jamestown, Pensilvânia. Eles descobriram que as granadas e bombas são “cheias principalmente de uma mistura de combustível, que queima para dispersar o agente lacrimogêneo”. Uma das granadas, a Granada de Fumaça Modelo 5220 CN, tem uma mistura de ignição com nitrato de potássio, silício e carvão, usada para criar a fumaça CN (uma forma de gás lacrimogêneo):

A fumaça CN é 71% combustível, feito de clorato de potássio, carbonato de magnésio, nitrocelulose e… sacarose [o açúcar de mesa]. Os outros 29% da fumaça são o agente lacrimogêneo, a cloroacetofenona, que é usada há quase um século e causa irritação séria das membranas da mucosa.

É muita coisa fedida e sim, o gás lacrimogêneo é listado como tendo um “odor pungente”, penetrante, algo que um manifestante pode comprovar. Ele disse ao canal ABC que “seus olhos lacrimejam muito, então não dá pra ver, e você sente como se estivesse com falta de ar. Na verdade você consegue respirar, mas você sente falta de ar, então você tenta correr – mas quando você corre, você inala mais [gás lacrimogêneo]”. [Ars Technica]

Crédito da imagem: The Atlantic